Correio do Povo | Notícias | Após ficarem de fora por causa da gripe aviária, aves retornam à Expointer

Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 22 de Setembro de 2018

  • 20/08/2018
  • 09:00
  • Atualização: 10:08

Após ficarem de fora por causa da gripe aviária, aves retornam à Expointer

Feira ocorre entre os dias 25 de agosto a 2 de setembro, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio

Aves não participaram da Expointer do ano passado em função da gripe aviária | Foto: Leandro Osório / Especial Palácio Piratini / CP

Aves não participaram da Expointer do ano passado em função da gripe aviária | Foto: Leandro Osório / Especial Palácio Piratini / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Depois do recesso no ano passado, em função da emergência sanitária gerada pela gripe aviária no continente, as aves e pássaros estão de volta à Expointer. No setor de aves de produção e ornamentais serão 18 expositores com 523 animais de 56 raças diferentes, enquanto o setor de pássaros terá 11 expositores, com 589 animais para comercialização. A 41ª edição ocorre entre 25 de agosto a 2 de setembro, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio.

• Lançamento da 41ª Expointer tem clima de otimismo contido

Conforme o chefe do serviço de Exposições e Feiras da Secretaria da Agricultura Pecuária e Irrigação (Seapi), José Arthur Martins, todos os animais que participam da feira cumprem rigorosamente as regras sanitárias em vigor. Para o presidente da Associação de Preservadores e Criadores de Aves de Raças Puras e Ornamentais (APCA), Jonatas Breunig, o retorno da espécie à feira formaliza o mercado e incentiva a melhoria da qualidade sanitária dos animais. Os exemplares de raças puras em exposição são importantes na cadeia produtiva e para a preservação do patrimônio genético das espécies.

• Feira da Agricultura Familiar conta com 257 inscritos para a Expointer

Desde meados dos anos 1970, a indústria aviária trabalha com híbridos na linhagem comercial, mas os pacotes genéticos são criados a partir de raças puras. "A preservação das espécies puras é uma garantia para o mercado. Caso a linhagem industrial falhe, sempre será possível retornar às origens e criar novos híbridos", completa Breunig.

Segundo dados da Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav), que congrega produtores industriais de carnes e ovos no estado, o setor movimentou R$ 12 bilhões no primeiro semestre. No ano passado, foram comercializadas 1 milhão e 600 mil toneladas de carne de frango. Desse total, 745 mil toneladas foram exportadas para mais de 160 países.