Correio do Povo | Notícias | Incêndio destruiu 90% do acervo do Museu Nacional, diz vice diretora

Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 23 de Setembro de 2018

  • 03/09/2018
  • 17:36
  • Atualização: 18:50

Incêndio destruiu 90% do acervo do Museu Nacional, diz vice diretora

Prédio e acervo não tinham seguro contra incêndio e reconstrução irá custar R$ 15 milhões

Prédio e acervo não tinham seguro contra incêndio e reconstrução irá custar R$ 15 milhões | Foto: Tomaz Silva / Agência Brasil / CP Memória

Prédio e acervo não tinham seguro contra incêndio e reconstrução irá custar R$ 15 milhões | Foto: Tomaz Silva / Agência Brasil / CP Memória

  • Comentários
  • AE

A vice-diretora do Museu Nacional, Cristiana Serejo, disse que 90% do acervo queimou no incêndio da noite do último domingo e que a reconstrução do prédio custará R$ 15 milhões. O valor seria para a parte estrutural, uma vez que o que foi perdido é insubstituível, ressalvou. Cristiana afirmou que o orçamento vem caindo desde 2015, com contingenciamento de um terço do total, passando de R$ 514 mil para R$ 314 mil. "Sobrou parte do acervo dos invertebrados, o setor de vertebrados e botânica. Foram retiradas algumas cerâmicas, peças minerais e os meteoritos, talvez uns 10%", estimou Cristiana. "A gente estava preocupado com incêndios. Tivemos problemas de falta de verba e de burocracia."

Não havia porta anti-incêndio nem sprinklers. Os detectores de fumaça não funcionaram. A água nos hidrantes não era suficiente. Não havia seguro contra incêndio e o acervo também não estava segurado. A fachada havia sido restaurada em 2007 com verba da Petrobras, mas a crise fez minguar recursos patrocinados nos últimos anos. "A culpa é de todos. A gente fica com muita raiva", declarou.

Cristiana relatou que ainda não tem informações sobre o fóssil de Luzia, o mais antigo das Américas. O crânio ficava numa caixa ainda não localizada. As múmias egípcias queimaram, assim como o setor de entomologia. O laboratório de paleontologia ficou intacto. A vice-diretora não arriscou traçar o futuro do museu. Ela disse que é possível que sejam reproduzidas imagens que foram incendiadas com impressoras 3D. Verbas serão pleiteadas não só junto ao governo federal, mas também com empresas e no exterior.