Correio do Povo | Notícias | EUA preparam novas sanções contra Rússia por crise na Síria

Porto Alegre

16ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de Julho de 2018

  • 15/04/2018
  • 15:29
  • Atualização: 15:38

EUA preparam novas sanções contra Rússia por crise na Síria

Embaixadora do país na ONU recordou expulsou de espiões russos após caso de envenenamento

EUA preparam novas sanções contra Rússia por crise na Síria | Foto: Drew Angerer / AFP / CP

EUA preparam novas sanções contra Rússia por crise na Síria | Foto: Drew Angerer / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

Os Estados Unidos anunciarão nesta segunda-feira novas sanções contra a Rússia relacionadas ao suposto uso de armas químicas por parte das tropas do governo sírio, apoiado política e militarmente por Moscou, disse neste domingo a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley.

"Os Estados Unidos já tomaram diversas medidas punitivas contra o 'mau comportamento' da Rússia em uma série de casos", declarou Haley ao canal Fox News, recordando a expulsão de 60 "espiões russos" em resposta ao ataque com um agente neurotóxico no Reino Unido contra um ex-espião russo e as recentes sanções contra "oligarcas" próximos ao Kremlin. 

Nikki advertiu que haverá novas sanções e que serão reveladas na segunda-feira. Em outro programa, "Face The Nation", da emissora de televisão CBS, ela foi questionada se Washington tomaria mais medidas contra o apoio ao presidente sírio, Bashar al-Assad, por Rússia e Irã, ao que respondeu: "absolutamente". "Verão que as sanções russas vão chegar", advertiu.

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steve Mnuchin, "as anunciará na segunda-feira e apontarão diretamente para todo tipo de empresas que se ocupam de equipamentos vinculados a Assad e à utilização de armas químicas" na Síria, acrescentou.

Investigadores da Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq) começaram a analisar neste domingo o suposto ataque químico de 7 de abril que matou dezenas de pessoas em Duma, perto de Damasco, que motivou o bombardeio com mísseis contra o governo sírio por parte de Estados Unidos, França e Reino Unido.