Correio do Povo | Notícias | Sobrepeso atrapalha aumento da expectativa de vida dos europeus

Porto Alegre

28ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 17 de Novembro de 2018

  • 11/09/2018
  • 22:48
  • Atualização: 23:06

Sobrepeso atrapalha aumento da expectativa de vida dos europeus

Relatório da OMS aponta grandes variações entre diversos países do continente

  • Comentários
  • AFP

A expectativa de vida dos europeus continua aumentando, mas a obesidade e o sobrepeso de uma parcela crescente da população ameaçam inverter esta tendência, alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS) em um relatório publicado nesta quarta-feira. O último indicativo sobre a saúde na Europa, publicado a cada três anos, estabelece que o "bem-estar" registrado no continente é "o mais alto do mundo" embora continue variando muito de um país para outro.

A expectativa de vida ao nascer chegava a 77,8 anos em 2015 no conjunto da Europa, em comparação com 76,7 anos em 2010. A expectativa das mulheres (81,1 anos) é seis anos e meio maior que a dos homens (74,6 anos), uma diferença que diminuiu ligeiramente. Mas as disparidades são significativas entre os países: os homens vivem quase 16 anos mais na Islândia (81,4 anos) que no Cazaquistão (65,7).

"Os avanços são desiguais, tanto dentro dos países como entre países", destacou Zsuzsanna Jakab, diretora da OMS para a Europa, alertando que "os fatores de risco ligados ao estilo de vida são preocupantes, podem frear ou inclusive inverter os progressos importantes de expectativa de vida se nada for feito".

Entre estes fatores está o sobrepeso, que aumenta o risco de diabetes, câncer ou doença cardíaca, e está "em aumento na maioria dos Estados", alerta o informe. Em 2016, a obesidade e o sobrepeso afetavam respectivamente 23,3% (+2,5 pontos em seis anos) e 58,7% (+2,8 pontos) da população.

O aumento é particularmente significativo na Turquia, onde quase quatro de cada 10 mulheres (39,2%) são obesas. Malta (28,9% da população) e Reino Unido (27,8%) são os outros dois países da região que apresentam os piores resultados neste campo.

O relatório aponta também o consumo de tabaco e álcool, cujos dados na Europa estão entre "os mais altos do mundo": 29% dos indivíduos de mais de 15 anos fumam, em comparação com 16,9% nas Américas e 24,8% no sudeste asiático. No entanto, a proporção de pessoas que fumam diariamente diminuiu na população dos 53 países da Europa, passando de 28,1% em 2002 a 24,4% em 2014.