Correio do Povo | Notícias | Mais de 100 pessoas já foram presas por suspeita com ataques no Ceará

Porto Alegre

23ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 19 de Janeiro de 2019

  • 06/01/2019
  • 14:44
  • Atualização: 15:58

Mais de 100 pessoas já foram presas por suspeita com ataques no Ceará

Dois suspeitos morreram em troca de tiros com a polícia militar

Dezenas de ataques a prédios, bancos e ônibus foram registradas em Fortaleza e no interior do Estado na última semana | Foto: Jarbas Oliveira / Estadão Conteúdo / CP

Dezenas de ataques a prédios, bancos e ônibus foram registradas em Fortaleza e no interior do Estado na última semana | Foto: Jarbas Oliveira / Estadão Conteúdo / CP

  • Comentários
  • R7

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS) informou, neste domingo, que já são 110 as pessoas presas por suspeita de envolvimento com os ataques violentos que vêm sendo registrados no Estado desde a última quarta-feira.

Em nota, a pasta diz que 34 dos detidos são adolescentes e acrescenta que, na última madrugada, dois suspeitos não identificados morreram em troca de tiros com a PM no bairro Granja Portugal, na zona oeste de Fortaleza. 

Segundo a SSPDS, os suspeitos tentaram atear fogo a um posto de atendimento do Departamento Estadual de Trânsito. A polícia acabou por apreender coletes balísticos, um revólver calibre 38, munições, coquetéis molotov, galões de combustíveis e um veículo. Um policial foi ferido no incidente, mas não corre risco de vida.

O órgão destaca que houve ainda a prisão em flagrante de um suspeito por venda irregular de combustíveis a grupos criminosos. Um caminhão-tanque foi apreendido e o homem — que estaria vendendo cada galão de gasolina a R$ 17 — foi encaminhado para a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas.

Onda de violência

Dezenas de ataques a prédios, bancos e ônibus foram registradas em Fortaleza e no interior do Estado na última semana. Investigações do governo do Ceará apontam que as ordens para as ações partiram das facções Comando Vermelho e da Guardiões do Estado. Os crimes aconteceram um dia após o secretário da recém-criada pasta de Administração Penitenciária, Luís Mauro Albuquerque, ter dito que não reconhecia facções e que não iria mais separar presos de acordo com a ligação com esses grupos.

Por determinação do Ministério da Justiça e Segurança, 300 homens da Força Nacional se uniram aos agentes do Estado para conter a violência. O governo do Ceará, por sua vez, empossou na sexta-feira 373 novos policiais militares, que reforçam o patrulhamento nas ruas e 34 policiais rodoviários federais, nas BRs. Outro reforço veio do governo baiano, que mandou 100 PMs.

Os ônibus em Fortaleza passaram a ser escoltados por policiais militares para inibir as ações criminosas e a Polícia Militar do Ceará vêm realizando blitze em bairros e avenidas estratégicas da capital.