Correio do Povo | Notícias | Joesley pagou mesada de R$ 50 mil a Aécio por dois anos, diz jornal

Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 22 de Setembro de 2018

  • 20/04/2018
  • 07:02
  • Atualização: 07:36

Joesley pagou mesada de R$ 50 mil a Aécio por dois anos, diz jornal

Empresário revelou pagamento em depoimento à Procuradoria-Geral da República

Joesley pagou mesada de R$ 50 mil a Aécio por dois anos, diz jornal  | Foto: Wilson Dias / Agência Brasil / CP

Joesley pagou mesada de R$ 50 mil a Aécio por dois anos, diz jornal | Foto: Wilson Dias / Agência Brasil / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Em depoimento prestado à Procuradoria-Geral da República, o empresário Joesley Batista afirmou que pagou, durante dois anos, uma mesada de R$ 50 mil para o senador Aécio Neves (PSDB-MG). Segundo a informação divulgada nesta sexta-feira pelo jornal Folha de São Paulo, os pagamentos eram feitos através de uma rádio, da qual o parlamentar era sócio. 

De acordo com a Folha de São Paulo, Joesley contou à Procuradoria que os pagamentos foram solicitados pelo próprio tucano em uma reunião realizada no Rio de Janeiro. Na ocasião, Aécio teria dito que usaria os recursos para "custeio mensal de suas despesas", palavras usadas pelo empresário. 

Joesley entregou à PGR 16 notas fiscais emitidas entre 2015 e 2017 pela rádio Arco Íris, afiliada da Joven Pan em Belo Horizonte. Conforme a publicação, a JBS aparece nas notas como empresa cobrada. Os documentos têm como justificativa a prestação de "serviço de publicidade" e trazem na descrição que o valor mensal era de "patrocínio do Jornal da Manhã", um dos programas da emissora. A soma das notas indica o pagamento de R$ 864 mil. 

A publicação da Folha descreve ainda que, em seu relato, Joesley disse não saber se um serviço de publicidade foi prestado pela rádio Arco Íris. Ele, porém, reforçou que seu objetivo era repassar R$ 50 mil com intuito de manter um bom relacionamento com o senador, que havia sido candidato à presidência em 2014 e poderia voltar a concorrer em 2018. 

Outro lado 

O advogado de Aécio Neves, Alberto Toron, disse que Joesley se aproveita de uma "relação comercial lícita" para "forjar mais uma falsa acusação". O representante do senador confirmou a relação financeira entre a JBS e a rádio Arco Íris e negou que Aécio tenha solicitado recursos para despesas pessoais. 

"O senador jamais fez qualquer pedido nesse sentido ao delator, da mesma forma que, em toda a sua vida pública, não consta nenhum ato em favor do grupo empresarial", disse Toron por meio de nota.