Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 25 de Fevereiro de 2018

  • 14/02/2018
  • 10:37
  • Atualização: 11:05

Diretor da PF vai prestar esclarecimentos ao STF na próxima segunda

Segovia indicou em entrevista que tendência das investigações contra Temer é o arquivamento

Diretor da Polícia Federal vai prestar esclarecimentos ao STF na próxima segunda-feira | Foto: José Cruz / Agência Brasil / CP

Diretor da Polícia Federal vai prestar esclarecimentos ao STF na próxima segunda-feira | Foto: José Cruz / Agência Brasil / CP

  • Comentários
  • AE

O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, irá responder aos questionamentos do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), na próxima segunda-feira, de acordo com o gabinete do ministro. À princípio, o encontro será às 17h. No último sábado,  Barroso mandou intimar Segovia para esclarecimentos, após o diretor-geral da PF, em entrevista à Reuters, indicar que a tendência é que as investigações contra o presidente Michel Temer sobre o Decreto dos Portos sejam arquivadas.

Barroso é relator do inquérito, em tramitação no Supremo. "Tendo em vista que tal conduta, se confirmada, é manifestamente imprópria e pode, em tese, caracterizar infração administrativa e até mesmo penal, determino a intimação do Senhor Diretor da Polícia Federal, delegado Fernando Segovia, para que confirme as declarações que foram publicadas, preste os esclarecimentos que lhe pareçam próprios e se abstenha de novas manifestações a respeito", diz o despacho de Barroso.

Por meio de nota, Segovia afirmou na última semana que "em momento algum disse à imprensa que o inquérito será arquivado". "Afirmei inclusive que o inquérito é conduzido pela equipe de policiais do GInqE com toda autonomia e isenção, sem interferência da Direção Geral", afirmou o diretor-geral da PF. Plantão Na intimação feita em pleno plantão de sábado, Barroso ainda pediu que o Ministério Público Federal, como órgão de controle externo das atividades policiais, também tome as providências "que entender cabíveis".