Arte para questionar e refletir

Arte para questionar e refletir

Exposição "Transversalidade" abre hoje no Farol Santander com obras inéditas do artista gaúcho Frantz

Camila Souza*

Mostra que abre hoje no Farol Santander é composta por 22 obras inéditas do artista gaúcho Frantz

publicidade

Uma exposição que desperta curiosidade e explora diferentes linguagens artísticas é a novidade no Farol Santander (Rua Sete de Setembro, 1028). O espaço inaugura hoje a mostra “Transversalidade” e exibe 22 obras inéditas do artista gaúcho Frantz, com curadoria de André Severo, coordenador geral do Farol Santander Porto Alegre. A programação estará disponível ao público até 31 de outubro. Em “Transversalidade”, Frantz utiliza pinturas, fotografias, páginas de livros e catálogos de arte para criar uma mostra densa e instigante, capaz de acionar as capacidades perceptivas, imaginativas e reflexivas do espectador, ao tornar híbridas as categorias da pintura e fotografia. O artista conta que produziu muito durante a pandemia e que diversas obras são consequência desse período. Para ele, a mostra desperta encantamento, surpresa e faz o público questionar o limite do processo artístico. 

A parceria inconsciente de outros artistas para as criações de Frantz é uma das características marcantes de seu percurso. O artista forra paredes e pisos de outros ateliês e estúdios por um longo período de tempo. A partir das dinâmicas de trabalho destes outros nomes da arte e da ação natural do tempo, Frantz se apropria das imagens formadas por pingos de tintas, pisadas de sapatos, líquidos, pós e inúmeros outros elementos, que vão sendo depositados ao longo de anos. Após esse processo, a lona é retirada e Frantz inicia o recorte que dará origem às suas obras.

“Essa exposição vem para colocar em diálogo a produção local”, afirma André Severo. De acordo com o curador, a mostra inaugura uma série de exibições de artistas locais no Farol Santander. Ele explica que, para montar “Transversalidades”, cada detalhe foi pensado, como a iluminação e a distância entre os objetos. Durante a visitação, o público pode circular pelo espaço. Para proporcionar a experiência de imersão e fazer as imagens dialogarem entre si, a arquitetura do local foi considerada. “A gente olhou para o espaço ao mesmo tempo em que olhou para as obras. Dentro do possível, posicionamos as obras de acordo com o espaço, não ignoramos as colunas”, detalha. Frantz também conta como o espaço do Farol impactou o processo de criação. “O enquadramento e a distância de um lado a outro me permitiu perceber coisas daquele trabalho que, fora desse lugar, eu não teria percebido. Não se negou a arquitetura, ela está lá, não se pode brigar com ela, então se aproveita ela”, destaca.

Quem pretende visitar a mostra terá a liberdade de refletir e fazer suas próprias leituras sobre as obras. Diferente de outras exposições que trazem as imagens explicadas, em “Transversalidades” não há legendas. “O espectador se obriga a olhar uma imagem e buscar outras referências para se relacionar com o objeto e isso é de uma potência enorme”, afirma o curador. Conforme Severo, a ideia da mostra é construir significados para o trabalho de Frantz através de diálogos com o público. O Farol Santander abre de terça a domingo, das 10h às 19h e, devido à pandemia, recebe 50% da capacidade de visitantes. Os ingressos podem ser adquiridos pelo site

*Sob a supervisão de Luiz Gonzaga Lopes


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895