Artistas e influenciadores digitais falam sobre mudança nos "likes" no Instagram
capa

Artistas e influenciadores digitais falam sobre mudança nos "likes" no Instagram

Rede social torna invisível o botão de curtidas para os seguidores

Por
AE

Luan Santana e Kefera aprovaram mudança no Instagram

publicidade

A conquista de "likes" no Instagram - aqueles corações que simbolizam que a publicação foi curtida pelos seguidores - sempre foi valiosa para personalidades em geral. Artistas, cantores, atores e influenciadores digitais possuem uma ambiguidade de sentimentos. Receber aprovação do público em geral, a conhecida "chuva de likes", é sinônimo de êxito e carisma. Por outro lado, há quem diga que tal disputa possa causar instabilidade emocional e uma certa cobrança para estar sempre em alta.

A partir desta quinta-feira, a rede social torna invisível o botão de curtidas para os seguidores. Portanto, apenas o dono do perfil é capaz de visualizar quem e quantos corações recebeu pela publicação. A iniciativa foi comemorada por personalidades, como o cantor Luan Santana. "Somos mais que números e aprovações. Somos além! Temos motivo para celebrar hoje, parabéns amigos do Instagram", comemorou. Nessa publicação, que ainda manteve a possibilidade de curtidas, ele recebeu quase duzentos mil corações.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Somos mais que números e aprovações... somos além! Temos motivo para celebrar hoje, parabéns amigos do @instagram! E digo mais... #VIVA!

Uma publicação compartilhada por Luan Santana (@luansantana) em

A atriz Cleo, filha de Glória Pires, também apareceu no Instagram para comemorar o fim da ferramenta de aprovação virtual: "Quem vê like não vê coração", escreveu na legenda da foto.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Quem vê like não vê coração 💋

Uma publicação compartilhada por Will Not B Defined (@cleo) em

Kéfera Buchmann também falou sobre a disputa por aprovação nas redes sociais. Para a atriz, a medida vai preservar o lado emocional das pessoas. "Eu amei a mudança. O desespero por likes e comparações agora acabou! Liberdade para produzir o conteúdo que quisermos sem pensar no que irá impressionar os outros. Ufa! Viva a saúde mental de todos nós", escreveu.

Para Andressa Ferreira, esposa de Thammy Miranda, o fim dos "likes" pode ajudar alguns internautas a encontrarem um verdadeiro objetivo de vida. "Essa mudança vem para constatar se estamos focando em propósitos errados ou se estamos agindo de forma completamente superficial. Menos comparação e mais desenvolvimento pessoal", aconselhou.

Com 16 milhões de seguidores na rede social, Carlinhos Maia considerou positiva a mudança. Em uma série de stories no Instagram, o influenciador digital fez uma análise sobre o assunto. "Eu, como influenciador, achei ótimo tirar os likes e visualizações. As pessoas estão adoecendo por números, buscando cada vez mais destruir os outros para conseguir likes nos comentários. Achei fantástico", afirmou.

Felipe Neto, também na lista dos grandes influenciadores digitais do Brasil, aprovou a mudança. Com mais de 10 milhões de seguidores no Instagram, o youtuber acredita que isso mudará a internet. "O Instagram pode ser uma rede social legal, mas virou uma ferramenta de fomento à vaidade, ao ego e ao desespero por atenção, que se transformou meio que num vírus na internet. O Instagram hoje é um antro muito mais negativo do que positivo, na minha percepção", refletiu.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

As únicas pessoas preocupadas com o fim dos likes são aquelas que vivem em função deles, ou vendiam campanhas e usavam likes como métrica para alguma coisa (o que é jurássico - quem engaja de verdade não precisa de like pra mostrar que deu resultado). Há anos eu faço campanhas contra o mundo de mentiras tóxicas que é o Instagram. Há anos eu tento mostrar, em posts e vídeos, como o Instagram é uma rede social de falsidades, de uma disputa de vaidade para ver quem cresce mais, só que quase nunca criando conteúdo, apenas vendendo uma ilusão de beleza superficial e inexistente. Conheço pessoalmente a maioria das pessoas consideradas mais belas e com as vidas mais perfeitas do Instagram e digo, com propriedade e sem medo de represálias, que quase todas essas pessoas são completamente diferentes do que vendem por aqui. A remoção dos likes talvez diminua essa disputa vazia de vaidades, essa busca constante de tentar parecer algo que não é, essa necessidade latente de utilizar 800 efeitos em cada foto para que ninguém perceba as imperfeições humanas e naturais de cada um. Essas mentiras que o Instagram propaga contribuem diretamente para o aumento de depressão, ansiedade e baixa auto-estima em milhões de pessoas por todo o planeta, incapazes de se olharem no espelho e sentirem que são tão belas quanto, ou que possuem uma vida tão boa. Que esse fim dos likes também traga o fim do facetune, dos retoques desesperados e da máscara de perfeição cobrindo uma vida comum e humana, como qualquer outra. Tomara. Apenas tomara...

Uma publicação compartilhada por Felipe Neto (@felipeneto) em