Atriz espanhola Verónica Forqué é encontrada morta em casa

Atriz espanhola Verónica Forqué é encontrada morta em casa

Atuou em "Que Fiz Eu Para Merecer Isto?" e "Kika"

AFP

Recebeu quatro vezes os Prêmios Goya, incluindo o de melhor atriz pelo seu papel em Kika.

publicidade

A atriz espanhola Verónica Forqué, que trabalhou com o aclamado Pedro Almodóvar, entre outros, foi encontrada morta nesta segunda-feira (13) em sua casa de Madri, aparentemente como consequência de um suicídio - confirmaram fontes policiais à AFP.

"Tirou a vida em sua casa em Madri", declararam essas fontes, sem dar mais detalhes.

Filha do diretor José María Forqué, Verónica nasceu em 1955, em Madri. Começou a trabalhar no cinema atuando nos filmes do pai, no início dos anos 1970.

Sua estreia, ainda quase adolescente, foi em 1972, com "Minha querida moça", de Jaime de Armiñán. Nos primeiros anos de sua carreira, além de rodar sob a direção do pai, também trabalhou com Carlos Saura e Manuel Gutiérrez Aragón, dois dos grandes cineastas espanhóis.

Foi em 1984, porém, no elenco do filme de Pedro Almodóvar "Que fiz eu para merecer isto?", que Verónica Forqué alcançou popularidade. Com Almodóvar, repetiu o sucesso nos filmes "Matador" (1986) e "Kika" (1993), estabelecendo-se como uma das atrizes mais prolíficas e amadas pelo público espanhol.

Ao saber de sua morte, a produtora de Almodóvar, El Deseo, divulgou uma mensagem, na qual manifestou sua tristeza: "O vazio que isso deixa em nossas vidas e no nosso cinema é irrecuperável. Foi-se uma atriz extraordinária e uma pessoa insubstituível com quem tivemos a honra de trabalhar e compartilhar a vida. Faça uma boa viagem, Verónica".

"Adeus, Verónica Forqué. Trabalhei há anos com ela, e minha lembrança é a de uma mulher doce, espiritual e boa companheira. D.E.P", declarou o ator espanhol Antonio Banderas no Twitter.

 "As pessoas me amam" 

Verónica Forqué está ligada ao cinema espanhol dos anos 1980 e 1990, muitas vezes irreverente e festivo, da transição política. Tinha talento para o drama e para a comédia, o que a tornava uma das atrizes mais queridas da Espanha.

"Sei que as pessoas me amam. É algo que valorizo muito, que cuido, porque é um presente precioso. Não sou uma pessoa complicada e acho que tenho um bom caráter", declarou a atriz, em entrevista ao jornal El País em 2019.

Em um tuíte de despedida, a Academia de Cinema Espanhola descreveu-a como "um rosto essencial do cinema espanhol nas últimas décadas".

"Uma atriz brilhante e uma pessoa encantadora nos deixa. Foi maravilhoso poder conhecê-la", disse Pablo Iglesias, ex-vice-presidente de governo e ex-líder da formação Podemos (esquerda), no Twitter.

Os motivos do suicídio são desconhecidos, mas o diretor, ator e produtor Carlo D'Ursi escreveu uma triste reflexão em seu perfil no Twitter, citado nesta segunda-feira pelo jornal El Confidencial: "Morrer sozinha, com 66 anos e vítima de depressão não estava escrito em nenhum roteiro".


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895