Autor brasileiro recebe dois prêmios internacionais

Autor brasileiro recebe dois prêmios internacionais

Comemorando um ano do lançamento do primeiro livro de fantasia do escritor P.J. Maia, "Espírito Perdido", a obra acaba de conquistar o prêmio de “Melhor Livro de Fantasia” no Independent Press Award

Por
Correio do Povo

"Espírito Perdido" conquistou o prêmio de “Melhor Livro de Fantasia” no Independent Press Award


publicidade

Comemorando um ano do lançamento do primeiro livro de fantasia do escritor brasileiro P.J. Maia, "Espírito Perdido" (The Missing Spirit), a obra acaba de conquistar o prêmio de “Melhor Livro de Fantasia” no Independent Press Award, em Nova Iorque, uma competição julgada por experts de diversas áreas da indústria literária, incluindo editoras, autores, revisores, diretores de arte e redatores profissionais. Os vencedores de cada categoria são escolhidos a partir de quesitos de excelência no geral. 
Este não é o primeiro prêmio conquistado pela obra. Em março deste ano, o livro também conquistou o “Red Ribbon”, prêmio de Escolha dos Leitores no Wishing Shelf Awards, premiação sediada em Londres e voltada para o público juvenil, onde os títulos são avaliados por grupos de jovens leitores no Reino Unido e na Suécia. Decidido a disputar espaço no mercado global de literatura fantástica de forma independente, o jovem autor brasileiro tem seu segundo livro da saga já em produção. 

Sobre "Espírito Perdido" 

P. J. Maia lançou sua primeira obra com os olhos no mercado global de literatura fantástica; o livro foi originalmente escrito em inglês com o título The Missing Spirit, foi publicado no primeiro semestre de 2019 na Amazon.com em versão impressa e eBook. Logo depois chegou às livrarias brasileiras, a versão traduzida para o português por Robson Falcheti Peixoto e com a arte da capa criada pelo ilustrador argentino Nico Lassalle. A versão brasileira também conta com um audiobook narrado por Ana Maria Morais.

Voltado para o público jovem adulto, o livro “Espírito Perdido” se passa numa era remota, quando o planeta Terra era povoado por homens das cavernas e seres divinos. É nesta pré-história mística que conhecemos Keana, uma refugiada humana criada longe de sua tribo. No reino fugaz de Divagar, deuses e deusas desfrutam de luxo e vida eterna, às custas dos humanos comuns. Não conhecem fome, perigo ou morte, trancafiados num paraíso ensolarado.


Numa tentativa desesperada de se tornar divina e ser finalmente igual aos demais, Keana burla todas as regras e acaba trazendo a morte para o reino. Ameaçados com a perda de seus privilégios, os deuses percebem que precisarão fazer sacrifícios para permanecerem imortais e no controle da Terra. Mesmo que o sacrifício seja a vida da garota.