Desfiles do Carnaval de Porto Alegre refletem superação das escolas de samba
capa

Desfiles do Carnaval de Porto Alegre refletem superação das escolas de samba

Em ano de muitas dificuldades, agremiações enfrentaram alguns problemas na avenida

Por
Correio do Povo

União da Vila do IAPI desponta como uma das favoritas ao título

publicidade

* Com informações de Mauren Xavier

O Carnaval fora de época de Porto Alegre representou a superação das escolas de samba. Os desfiles da Série Ouro transcorrem sem grandes problemas entre a noite de sábado e a madrugada deste domingo, mas pontos como a falta de acabamento nas fantasias e carros alegóricos chamaram a atenção para as dificuldades enfrentadas pelas agremiações, sobretudo nos últimos meses.

Soma-se a isso a tensão deixada pela incerteza que pairou sobre a realização das apresentações ao longo de todo o sábado, com a liberação do Complexo do Porto Seco pelos bombeiros somente por volta das 21h30min, cerca de uma hora antes do horário previsto para a Embaixadores do Ritmo abrir as atividades na passarela. Na sexta, com a interdição do espaço, os desfiles da Série Prata foram cancelados. Na Sério Ouro, acabou resultando em atrasos nos horários das apresentações, que terminaram às 8h50min deste domingo. Ainda com as preocupações no ar, ao longo dos desfiles chegaram a acontecer algumas manifestações contra a prefeitura de Porto Alegre, como vaias ao secretário de Cultura, Luciano Alabarse, e pedido para maior valorização do Carnaval.

Foi sofrendo o impacto da indefinição sobre a realização dos desfiles que a Embaixadores do Ritmo abriu a noite, ainda com as arquibancadas bastante vazias. Homenageando os 100 anos do samba, a escola fez um desfile enxuto, mas levou muita cor e animação à passarela.

Em seguida foi a vez da Bambas da Orgia, que apresentou o enredo “Num piscar de olhos tudo pode acontecer”, sobre o inesperado e as mudanças. A agremiação contagiou o público, mas ultrapassou o horário estipulado para o desfile e sofrerá descontos em função disso.

Com uma homenagem ao empresário Eduardo Natalício, a União da Vila do IAPI levou o Boteco Natalício e muitas referências pernambucanas no Porto Seco. A escola fez um dos melhores desfiles da noite.

A Estado Maior da Restinga cantou a cachaça e contou com sua bateria esbanjando energia. Um dos fatos curiosos da apresentação é que o segundo carro emanava cheiro de cachaça, aproximando o público do tema deste ano.

Outro grande desfile foi o da Imperadores do Samba, que apresentou um enredo sobre Frida Kahlo e resistência. Bastante numerosa, a vermelho e branco ganhou um colorido especial com a utilização de diversos elementos mexicanos.

Atual campeã, a Imperatriz Dona Leopoldina destacou a contribuição do povo negro para a criação do Rio Grande do Sul com o enredo “A Imperatriz canta e conta a negritude, tchê!”. Com alguns problemas, a escola levou a filha de Paola Serpa Severo, rainha de bateria assassinada em Cachoeirinha em fevereiro, no posto da mãe.

Com o dia amanhecendo, a Acadêmicos de Gravataí contou a história de Chacrinha, destacando as origens e a importância do comunicador. Também com chances de brigar pelo título, não faltaram referências ao rádio e bordões utilizados pelo Velho Guerreiro.

Com seu “Império em procissão”, a Império da Zona Norte encerrou os desfiles já com o sol raindo. Ao falar de fé, a escola pediu proteção ao Carnaval, destacando a importância do evento.

A apuração do Carnaval será realizada nesta segunda-feira, a partir das 17h, no Complexo Cultural do Porto Seco. A previsão é que o resultado seja divulgado por volta das 19h. Nenhuma escola será rebaixada neste ano.