Mangueira vence o Carnaval do Rio de Janeiro com enredo que recontou a história do Brasil
capa

Mangueira vence o Carnaval do Rio de Janeiro com enredo que recontou a história do Brasil

Verde e Rosa dominou a apuração desde o início e garantiu seu 20º título

Por
Correio do Povo e AE

Escola destacou os verdeiros heróis do povo brasileiro

publicidade

A Estação Primeira de Mangueira é a grande campeã do Carnaval do Rio de Janeiro em 2019. A verde e rosa conquistou seu 20º título com o enredo “História pra ninar gente grande”, assinado pelo carnavalesco Leandro Vieira e que recontou a história do Brasil destacando os verdadeiros heróis do povo.

Penúltima escola a desfilar no segundo dia de desfiles, a Mangueira encantou a Marquês de Sapucaí ao destacar negros, índios e personalidades que lutaram pelo país. Da história recente, além de Jamelão, foram homenageados a cantora e compositora mangueirense Leci Brandão, e a vereadora Marielle Franco, assassinada em 14 de março de 2018, ao lado do motorista Anderson Pedro Gomes. A viúva da vereadora, Mônica Benício, participou do desfile. A parlamentar era citada nominalmente no samba, o mais cantado deste carnaval. Marielle foi figura central de um enredo que elogiava heróis populares brasileiros não reconhecidos na maioria dos livros didáticos e demais registros históricos.

O auge da homenagem a vereadora assassinada ocorreu na parte final do desfile, onde correligionários, familiares e apoiadores de Marielle balançavam bandeiras com retratos da política e outras lideranças populares, enquanto outros carregavam uma imensa bandeira do Brasil onde o lema positivista "ordem e progresso" foi substituído por "índios, negros e pobres". Entre as pessoas que empunharam bandeiras figuram o deputado federal Marcelo Freixo e o vereador Tarcísio Motta, ambos do PSOL.

Outra menção a Marielle era feita na comissão de frente, que virava a história oficial pelo avesso: figuras históricas tradicionalmente reconhecidas, representadas como anões, eram substituídas por índios e negros. Na encenação, as novas personalidades erguiam uma menina que, representando Marielle, empunhava uma faixa onde se lia "presente".

A agremiação também desconstruiu figuras como Dom Pedro I e Pedro Álvares de Cabral, além de colocar uma bandeira do Brasil nas suas cores, verde e rosa, para encerrar o desfile. Em uma das alegorias, a Mangueira fez uma releitura do Monumento às Bandeiras, em São Paulo. Na avenida, a obra estava manchada de sangue, em alusão à violência dos bandeiras que explovaram o país.

O segundo lugar ficou com a Viradouro, que retornou ao Grupo Especial desvendando o universo mágico dos livros infantis. As duas escolas voltarão à avenida no sábado, para o Desfile das Campeãs, ao lado de Vila Isabel, Portela, Salgueiro e Mocidade Independente de Padre Miguel. Já Imperatriz Leopoldinense e Império Serrano foram as duas escolas rebaixadas para a Série A.

A apuração

Foto: Tomaz Silva / Agência Brasil / CP

 

A apuração começou por volta das 16h30min desta quarta-feira, na Marquês de Sapucaí. Primeiramente, foi anunciada a penalização da Vila Isabel, que perdeu 0,1 ponto por ter ultrapassado o limite de 75 minutos para o desfile.

Neste ano, o primeiro quesito a ter as notas lidas foi Evolução. Cada um dos nove quesitos teve seis jurados, posicionados em diferentes pontos do sambódromo. No entanto, dois foram dispensados e apenas quatro tiveram notas anunciadas na apuração. Destas, a menor foi descartada. O primeiro critério de desempate definido era o quesito Fantasias, seguindo na ordem inversa à abertura de envelopes.

A campeã liderou de ponta a ponta a apuração. Ao fim da leitura das notas de Evolução, Mangueira, Mocidade e Viradouro estavam empatadas no primeiro lugar, com 30 pontos cada. Em Harmonia, Mangueira e Viradouro foram as únicas a conseguirem nota máxima, e seguiram no topo com 60 pontos. Neste momento, somando 58,7 pontos, a Império Serrano se distanciou das demais escolas e assumiu a última posição definitivamente, já estabelecendo o rebaixamento. 

Mangueira e Viradouro continuaram brigando com notas máximas no quesito Mestre Sala e Porta-bandeira, mas a Viradouro perdeu seu primeiro décimo em Alegorias e Adereços e caiu temporariamente para terceiro lugar, sendo ultrapassada pela Vila Isabel.

A situação se manteve igual no quinto quesito, Comissão de Frente, enquanto Imperatriz Leopoldinense e São Clemente brigaram para ver quem seria a penúltima colocada e, portanto, rebaixada. Nas notas de Samba Enredo, a Viradouro e Vila Isabel perderam importantes décimos, deixando a Mangueira isolada na primeira posição com 180 pontos.

Encaminhando a disputa pro fim, no quesitos Enredo e Bateria, Mangueira e Viradouro seguiam nas duas primeiras colocações. Para fechar, Fantasias, garantiu o título para a Mangueira.

Confira o resultado final:

1 - Mangueira - 270,0
2 - Viradouro - 269,7
3 - Vila Isabel - 269,4
4 - Portela - 269,3
5 - Salgueiro - 269,3
6 - Mocidade - 269,0
7 - Unidos da Tijuca - 268,8
8 - Paraíso da Tuiuti - 268,5
9 - Grande Rio - 267,9
10 - União da Ilha do Governador - 267,7
11 - Beija-Flor - 267,6
12 - São clemente - 267,4
13 - Imperatriz Leopoldinense - 266,6
14 - Império Serrano - 263,8