Caso Suzane Von Richthofen ganhará dois filmes com diferentes pontos de vista
capa

Caso Suzane Von Richthofen ganhará dois filmes com diferentes pontos de vista

Ambos os longas deverão ser lançados simultaneamente nos cinemas

Por
AE

Carla Diaz interpretará Suzane Von Richthofen no cinema

publicidade

A história do caso Suzane Von Richthofen, que chocou a população no ano de 2002, será contada em dois filmes, que deverão ser exibidos em sessões alternadas. O formato inédito proposto pelos produtores do filme visa trazer até o público o ponto de vista dos dois personagens centrais da história: Suzanne Von Richthofen e Daniel Cravinhos. 

"É um caso único no cinema mundial essa produção exatamente da mesma história porém com olhares diferentes. É uma oportunidade para o público analisar e chegar à sua própria conclusão sobre os fatos", contou Gabriel Gurman, CEO da Galeria Distribuidora. 

A ideia dos produtores é conseguir apresentar ao público os bastidores anteriores ao crime, se valendo das declarações presentes nos autos do processo. Suzane e os irmãos Daniel e Cristian Cravinhos foram indiciados pelo homicídio de Manfred e Marísia von Richthofen em outubro de 2002. Suzanne e Daniel foram sentenciados a 39 anos e seis meses, enquanto Cristian recebeu sentença de 38 anos e seis meses. 

"Qual é a verdade?" 

Atualmente, eles cumprem pena no presídio de Tremembé, em São Paulo. "Temos discutido muito internamente o que é verdade. O que ela fala e o que ele fala. Se eles estão falando coisas diferentes, qual é a verdade?", detalhou Maurício Eça, diretor de ambos os filmes. 

Dessa forma, dois longas distintos sobre a história devem chegar ao público: "A Menina que Matou os Pais", com o ponto de vista de Suzane, e "O Menino que Matou Meus Pais", com o ponto de vista de Daniel. 

Para conseguir escrever a história, tanto Maurício Eça quanto Marcelo Braga, produtor do filme, convidaram Ilana Casoy, conhecida criminóloga e consultora de obras audiovisuais ligadas a esse tipo de temática, e Raphael Montes, escritor brasileiro de literatura policial e de suspense. Ambos atuaram como "parceiros constantes da produção". 

Outro ponto destacado pelos produtores do filme é o fato de que todo o orçamento dos dois projetos advém de verba investida pelos próprios produtores: a Santa Rita Filmes (produtora), a Galeria Distribuidora (coprodutora e distribuidora) e o Grupo Telefilm (coprodutor). Ambos os longas deverão ser lançados simultaneamente nos cinemas, em sessões alternadas e duplas. A previsão de lançamento é para o primeiro semestre de 2020. 

A atriz responsável por interpretar Suzane é Carla Diaz, que divulgou a primeira imagem do longa no papel.Ela informou que nenhum dos acusados vão receber algum dinheiro sobre a obra. 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Caso Richthofen terá dois filmes com pontos de vista de Suzane e de Daniel Cravinhos. “A Menina que Matou os Pais” e “O Menino que Matou Meus Pais” chegarão simultaneamente aos cinemas brasileiros no primeiro semestre de 2020. Complementares, as obras devem ser exibidas em sessões alternadas e duplas. Como os títulos sugerem, os longas vão narrar os acontecimentos entre 1999 e 2006, ano do julgamento do caso. Mas o projeto não tem conexão direta com os réus — os roteiros foram inteiramente baseados nos autos do processo que os condenou a quase 40 anos de prisão. Cada filme vai trazer a narração baseada no que cada réu disse. Terão cenas espelho, nas quais o espectador vai perceber diferenças. Devido a contradições nos depoimentos de Suzane e Daniel, surgiu a dúvida: em quem acreditar? Matéria completa na @folhadespaulo Ps: os envolvidos do caso real não tem nenhuma ligação com a produção das obras e tampouco receberão por elas. 📷 @_stellacarvalho_

Uma publicação compartilhada por Carla Diaz (@carladiaz_) em