Cinemateca Capitólio exibe curtas gaúchos premiados no Festival de Gramado
capa

Cinemateca Capitólio exibe curtas gaúchos premiados no Festival de Gramado

Seis títulos ganham sessão gratuita nesta terça-feira

Por
Correio do Povo

"Secundas", de Cacá Nazario, foi eleito o melhor filme da categoria

publicidade

Os seis curtas gaúchos premiados na 45ª edição do Festival de Cinema de Gramado ganham sessão gratuita na Cinemateca Capitólio Petrobras (Demétrio Ribeiro 1085) nesta terça-feira. Serão exibidos, em sequência, a partir das 20h, "Secundas", de Cacá Nazário, "Yomared", de Lufe Bollini e Mariana Yomared, "Sob Águas Claras e Inocentes", de Emiliano Cunha, "Temporal", de Gabriel Honzik, "1947", de Giordano Gio, e "Solito", de Eduardo Reis.

Confira a sinopse dos filmes:

"1947" (2017) – Direção: Giordano Gio / 20'
O jovem Hermes, isolado em seu sótão, envolve-se em uma insólita espiral emocional depois de flagrar o suicídio de seu avô, de quem herdou o nome, a curiosidade, as contradições e uma estranha obsessão por tudo que aconteceu no ano de 1947.

"Secundas" (2017) – Direção: Cacá Nazario / 16’
Uma fagulha pode incendiar uma pradaria.

"Sob Águas Claras e Inocentes" (2016) – Porto Alegre Direção: Emiliano Cunha / 17’21’’
As últimas horas de um sujeito numa cidade que não mais o aceita. Sozinho e irrelevante, se despede daqueles que ama, enquanto reconstrói sua identidade e encontra a redenção e o renascimento ao mergulhar, livre, em águas claras e inocentes. Uma carta para nossa pátria mãe em seu leito de morte.

"Solito" (2017) – Direção: Eduardo Reis / 5’
A Solidão segue um Morador de rua pela cidade.

"Temporal" (2016) – Direção: Gabriel Honzik / 13’
No passado, uma mulher canta sobre saudade. No presente, uma menina tem um encontro inesperado. A torre do clube viu tudo desde o início.

"Yomared" (2017) – Direção: Lufe Bollini e Mariana Yomared/ 15’00’’
Ocurta se estabelece na relação entre o diretor-montador e a bambolista Mariana Yomared, que convivem nos espaços do Palacete Bertiolli, onde atualmente (re)existe o Estúdio Lâmina. Uma relação afetuosa em que a câmera foi o dispositivo para uma singela observação sobre o feminino. O filme ainda é livremente inspirado no capítulo “O segredo como assassinos” do livro" Mulheres que Correm Com os Lobos", da escritora e psicanalista Clarissa Pinkola Estés.