Devido às cheias, Cais Mauá não será ocupado pela Feira do Livro

Devido às cheias, Cais Mauá não será ocupado pela Feira do Livro

Em virtude do alto volume das águas do Guaíba, direção da CRL resolveu adequar espaços da área infantil

Luiz Gonzaga Lopes

Cais nesta terça-feira, 20, já com nível do Guaíba voltando ao normal

publicidade

Uma das novidades previstas para a 61ª Feira do Livro de Porto Alegre, de 30 de outubro a 15 de novembro, que seria a volta da ocupação do Cais Mauá após três anos, pelas áreas infantil e infantojuvenil, vai acabar não ocorrendo. A decisão de não utilizar o Cais Mauá foi tomada pela direção da Câmara Rio-grandense do Livro (CRL), após analisar as últimas cheias do Guaíba e a possibilidade do nível do rio voltar a subir durante a realização da Feira.

Conforme o presidente da CRL, Marco Cena Lopes, algumas readequações serão feitas. "O Teatro Carlos Urbim, que seria no Armazém B, ficará localizado na Sepúlveda na quadra entre a avenida Mauá e a Siqueira Campos. Neste ano, teríamos uma área de alimentação exclusiva da área infantil. Nossa vontade de utilizar o Cais era muito grande, mas não podemos ser irresponsáveis e arriscar a integridade das crianças e também provocar o cancelamento de atividades agendadas", observa Cena.

A coordenadora da área infantil e infantojuvenil, Sônia Zanchetta, destaca que o agendamento escolar está sendo readequado, mas que não vai haver grandes perdas, pois haverá atividades ao ar livre, como o encontro com o escritor Luiz Coronel para falar do livro "Dom Quixote e o Cavaleiro Andante", com os personagens interpretados pelos atores Jairo Klein e Bárbara Camargos.

"A Casa do Pensamento ficará defronte ao Memorial. O Teatro Carlos Urbim passa dos atuais 600 para 360 lugares", afirma Sônia, lembrando que autores como Rosana Rios, Stela Maris Rezende, Ana Maria César e Luciana Savaget são alguns dos destaques da programação. No Armazém B do Cais, serão exibidas as mostras literárias Millôr e Paulo Leminski, sob a coordenação do Sesc/RS.

publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895