Diretor reage à proibição da Ancine de exibir "A Vida Invisível" a servidores: "Indignação"

Diretor reage à proibição da Ancine de exibir "A Vida Invisível" a servidores: "Indignação"

Evento faz parte de um processo de capacitação dos funcionários do órgão

Correio do Povo

"A Vida Invisível" é estrelado por Julia Stockler e Carol Duarte

publicidade

O diretor Karim Aïnouz publicou, nesta terça-feira, um post no Facebook comentando sobre a decisão da Agência Nacional de Cinema (Ancine) de proibir a exibição do seu longa, "A Vida Invisível", em um evento voltado aos funcionários do órgão. 

"Foi com muito pesar e indignação que recebi ontem a notícia de que 'A Vida Invisível', escolha nacional para o Oscar 2020 e o qual assino a direção, foi impedido de ser projetado em um evento de capacitação para servidores da Ancine. Digo pesar, pois é triste testemunhar os desdobramentos de uma política tóxica e covarde, perpetrada por um governo catastrófico, que põe deliberadamente em xeque a cultura um país tão abundante quanto o nosso. Digo indignação, porque as ameaças serão apenas ameaças e porque acredito, faço e continuarei fazendo de tudo para que a cultura circule à revelia dos que se apequenam e temem seu poder emancipador.  Infelizmente já vi esse filme antes", escreveu no Facebook. 

Segundo o site da Veja, a Secretaria de Gestão Interna da Ancine vetou a exibição de "A Vida Invisível" em um evento que estava marcado para esta quinta-feira. Os funcionários organizam mensalmente a exibição de um filme nacional seguido de debate com produtores. O evento faz parte de um processo de capacitação anual ao qual são submetidos para progressão de cargo. 

"'A Vida Invisível' faz parte de uma safra filmes que estão servindo como prova inconteste de que o fomento à cultura tem frutos grandiosos. Os filmes nacionais lançados na última década têm tido uma belíssima trajetória nos festivais internacionais e nas bilheterias. Eles têm representado a diversidade do Brasil de maneira poderosa e positiva. A ameaça à vida do setor é criminosa, não só nos termos da importância da indústria pujante que é o cinema nacional hoje, gerando milhares de empregos, mas também e, principalmente, se entendermos a importância crucial que a cultura exerce na sociedade. A cultura é o que nos possibilita acreditar na dignidade coletiva. Ela desarma o horror", diz o texto do diretor. 

O longa de Karim Aïnouz foi escolhido para representar o Brasil na disputa de uma vaga para concorrer na categoria de Melhor Filme Internacional do Oscar 2020. O mesmo foi premiado na última edição do Festival de Cannes e indicado recentemente ao Independent Spirit Awards 2020.  

Conforme Cesar Brasil Gomes Dias, chefe da Secretaria de Gestão Interna, informou que o evento foi cancelado porque o projetor da sala de exibição estava quebrado. Já o responsável pela manutenção do local disse que não havia nenhum problema técnico com o aparelho. 

Confira o trailer


publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895