"Efeito Angelina Jolie" impulsiona turismo na Namíbia

"Efeito Angelina Jolie" impulsiona turismo na Namíbia

Atriz deu à luz a Shiloh Jolie-Pitt no país no sul da África e constantemente viaja para o local

AFP

Jolie e Shiloh participaram de abertura de Santuário no país

publicidade

Encantado. É assim que fica o turista que visita a Namíbia. E como mais e mais estrangeiros, Anouk Den Otter mergulhou e viajou para o país do sul da África para se maravilhar com sua lendária beleza natural. No meio do inverno do hemisfério sul, a holandesa de 29 anos seu novo marido desafiaram o frio à canoa através de uma reserva de focas para celebrar sua lua de mel. A escolha do local aconteceu devido a um fator inusitado, mas cada vez mais comum entre os visitantes: Angelina Jolie.

Essa mistura única de atrações e da publicidade de alto nível da estrela de Hollywood ajudou o país a se tornar um dos principais destinos "outsiders" para agentes de viagens em todo o mundo. A atriz e diretora filmou o blockbuster de 2003 "Beyond Borders" no país, retornando em 2006 para dar à luz a Shiloh Jolie-Pitt em Swakopmund, no oeste. Em julho, ela levou sua filha para o país e alimentou suas redes sociais com fotos que impressionaram seus seguidores. Lá, participou da abertura de um santuário de vida selvagem chamado Shiloh Wildlife Sanctuary.

"Nós queríamos ir para algum lugar sem chuva em junho. Verifiquei na internet os melhores lugares para ir, e a Namíbia estava entre eles. Ela tem uma combinação de tudo - o mar, as cidades, o deserto, o jogo", conta Anouk. E, devido a uma desaceleração da econômica global e à queda nos preços das commodities, o governo namibiano decidiu usar a publicidade de Jolie para impulsionar o turismo como parte de um esforço mais amplo para diversificar a economia. Entre aqueles que se beneficiam está Jeanne Meintjes, que dirige um negócio de passeios de caiaque em Walvis Bay.

"O turismo cresceu ao longo dos anos, mais e mais pessoas gostam de praticar caiaque", disse Meintjes, de 60 anos de idade. "Os turistas sempre dizem que os espaços abertos com tão poucas pessoas tornam a Namíbia especial. Não tenho preocupações para o futuro, eu só preciso dos mares", brinca. Na década passado, o crescimento do número de turistas foi modesto, mas consistente. Em 2015, cerca de 1,4 milhão de estrangeiros visitaram o país.

O aumento constante já fez do turismo o terceiro maior setor do país, trazendo mais de 15 bilhões de dólares da Namíbia (cerca de R$ 3,72 bilhões) por ano - 20% do PIB do país - atrás apenas da mineração e da pesca. Em 2013, 22.500 pessoas foram empregadas diretamente por essa indústria e cerca de 90 mil foram envolvidas indiretamente - 16% da população em idade de trabalhar - de acordo com as estatísticas oficiais.

"O turismo é um pilar crítico da economia namibiana e transformou a vida de muitos cidadãos da Namíbia - particularmente aqueles nas áreas rurais", explica Pohamba Shifeta, ministro do Turismo dao país, que acrescentou que a fraca moeda tornou o local atraente para a América do Norte e turistas europeus. "A indústria do turismo continuou a crescer e continua a ser um dos setores de maior desempenho apesar da situação econômica negativa", comenta.

Atrações para todos

O parque nacional de Etosha, no norte do país, é frequentemente colocado na lista de "must-see" para visitantes estrangeiros, assim como Luederitz no sudoeste e a cidade mineira abandonada de Kolmanskop, o Canyon do rio Fish e as dunas de areia do parque nacional de Dorob. E ao contrário da vizinha Botswana, onde o turismo é definido por lodges de cinco estrelas e safaris de champanhe, a Namíbia não optou apenas pelo crescimento do turismo de luxo.

"A Namíbia está oferecendo atrações para todos. Quando sou mochileiro, posso entrar aqui e ficar em um alojamento acessível. Se eu sou uma pessoa cotidiana que quer fazer coisas extraordinárias, posso ir para a Namíbia", disse Paul Brinkmann , chefe do Conselho de Turismo da Namíbia. "Se você fizer isso no Botswana, se você quer fazer isso corretamente, você precisa ser mega-rico", analisa.

O objetivo do governo é claro: tornar o país o mais atraente possível para os turistas e sua moeda forte. E enquanto os principais atores do setor estão encantados com a retórica otimista de Windhoeks, eles estão no entanto pressionando por um plano mais concreto. "Há um esforço, mas não há o suficiente para ser feito", diz Ulf Gruenewald, gerente do maior hotel de Luederitz. "É muito importante que realmente, realmente comercializemos o país porque somos apenas um pequeno país pequeno neste grande mundo".

publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895