Elenco e direção de peça são homenageados por sessões acessíveis a deficientes
capa

Elenco e direção de peça são homenageados por sessões acessíveis a deficientes

"A Visita da Velha Senhora" fica em cartaz em Porto Alegre até sábado

Por
Felipe Samuel

Elenco e direção de peça são homenageados por sessões acessíveis a deficientes

publicidade

O elenco e a direção da peça "A Visita da Velha Senhora" foram homenageados pelo Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Comdepa) e a Coordenadoria de Acessibilidade da Prefeitura, na noite de quinta-feira, no Theatro São Pedro. A atriz Denise Fraga e a direção do espetáculo receberam uma placa de honraria em função da iniciativa de oferecer quatro sessões acessíveis (em libras e audiodescrição). A montagem fica em cartaz na Capital até este sábado.

Denise Fraga garante que a iniciativa de oferecer sessões acessíveis partiu do produtor da peça Zé Maria. E o resultado não podia ser outro: sessão lotada. "Estou impressionada com o resultado, com o número de pessoas que veio. A gente precisa pensar nessas pessoas que muitas vezes não conseguem nem o ânimo de sair de casa, porque enfrentam tantas barreiras. Veio muita gente que nunca tinha vindo ao teatro", disse. A ideia é seguir com a proposta. "A gente vai tocar esse projeto, de conseguir fazer, na medida do possível, e ter esse cuidado de atender esse público".

Presidente do Comdepa, Liza Cristina Senci afirma que a personagem interpretada por Denise Fraga, que é amputada, sensibiliza as pessoas que têm as mesmas deficiências. "Em pleno século 21, a gente nota poucas peças e filmes que têm audiodescrição, acessibilidade", avalia. Segundo Liza, só na Capital as pessoas com alguma deficiência somam 300 mil. "Isso nos toca muito e leva as pessoas com deficiência a se sentirem com mais coragem de sair à rua, de serem artistas, de virem ao teatro".

Para Liza, o espetáculo também serve para chamar a atenção para um problema enfrentado por deficientes: a exclusão social. Ela relata que muitas pessoas com deficiência têm dificuldade para ir ao teatro e "acham que não podem participar e vão ser olhadas com cara feia". "A gente se vê aceito, se vê visto, se vê aceito dentro da sociedade. E isso é muito importante para as pessoas com deficiência", afirma.

Diretor de Acessibilidade da Secretaria de Desenvolvimento Social do Esporte, Jorge Brasil explica que a homenagem marca os novos rumos para políticas voltadas a esse público na Capital. "O elenco e a produção se superaram no quesito acessibilidade. Sentimos que existiu uma preocupação tanto da produção quanto do elenco dessa peça, que foi muito sensível às pessoas com deficiência", observa.