Emmys anunciarão na quarta indicados ao primeiro prêmio na pandemia

Emmys anunciarão na quarta indicados ao primeiro prêmio na pandemia

As indicações serão anunciadas durante uma cerimônia virtual, que começará às 12h30 (horário de Brasília)

Por
Javier Tovar, da AFP

Os indicados ao Emmy, prêmio que homenageia os melhores e mais brilhantes da televisão, serão anunciados no dia 28 de julho


publicidade

Os indicados ao Emmy, os prêmios mais importantes da televisão, serão anunciados na quarta-feira em meio à crise que a indústria atravessa pela pandemia do novo coronavírus.

O anúncio será feito em uma cerimônia ao vivo, em um momento em que o calendário televisivo foi de tal forma afetado que alguns programas não puderam entrar na janela de elegibilidade para a edição deste ano.

Outras premiações de Hollywood, como o Oscar e o Globo de Ouro, tiveram que adiar suas cerimônias e alterar parte de suas regras para se adaptar aos novos tempos sem cinemas.

Os Emmy serão celebrados em 20 de setembro e, embora seus organizadores não tenham dado detalhes sobre a cerimônia, tudo indica que será virtual, enquanto o vírus se espalha com força nos Estados Unidos, com 4,2 milhões de casos.

"Não sei onde faremos isto ou como faremos ou inclusive porque estamos fazendo isto, mas estamos fazendo e vou apresentá-lo", disse o anfitrião dos Emmy, Jimmy Kimmel, em um comunicado em 16 de junho.

Os 24.000 membros da Academia de Televisão, que entrega o prêmio, receberam, contudo, um número recorde de inscrições este ano.

No entanto, a pandemia impediu que estúdios pudessem fazer suas habituais campanhas para conquistar votos entre os mais de 24.000 membros da Academia que, segundo os especialistas, tiveram mais tempo em casa para assistir televisão, o que pode pesar em suas decisões.

"Mas não sabemos o que estão vendo", esclareceu Joyce Eng, editora do site de previsões Gold Derby. "Estão vendo programas que estrearam há três anos e que não tinham podido ver? Ou estão vendo todos os programas que estrearam nesta primavera?".

As indicações serão anunciadas durante uma cerimônia virtual, que começará às 8h30 locais (12h30 de Brasília) e será animada pela estrela do "Saturday Night Live", Leslie Jones.

Ela será acompanhada da atriz de "Inventing Anna" Laverne Cox, Josh Gad, de "Central Park", Tatiana Maslany, de "Perry Mason" e o presidente da Academia, Frank Scherma.

- Favoritos -

A Academia estendeu a oito o número de indicados nas categorias mais importantes: melhor série dramática e de comédia. E coincidiu o número de indicados em outras categorias com a quantidade de produções introduzidas para consideração.

Mais uma vez, HBO e Netflix deverão ter o maior número de indicações.

Sem os ganhadores do ano passado, "Game of Thrones" e "Fleabag", no páreo, e nenhum programa novo que traga surpresas, Eng avaliou que produções como "Succession", sobre uma poderosa família dona de veículos de comunicação que luta pelo controle da empresa, e o thriller policial "Ozark" partem como favoritos na categoria drama.

A série marco da Netflix "The Crown" e o drama distópico da Hulu "O conto da Aia" - que não disputaram os prêmios no ano passado - também devem aparecer entre os indicados, junto com a 'prequel' de "Breaking Bad", "Better Call Saul", e "The Morning Show", da nova plataforma Apple TV+.

Entre as séries cômicas, "The Marvelous Mrs. Maisel", produção da Amazon sobre uma dona-de-casa dos anos 1950 transformada em comediante de stand-up, é considerada favorita, junto com o sucesso canadense "Schitt's Creek".

"Big Little Lies" tentará o Emmy de melhor série dramática, após ter levado em 2017 o prêmio de melhor minissérie. A categoria tem como favorita "Watchmen", sobre vigilantes mascarados tratados como criminosos pelas agências do governo.

"Watchmen é uma grande série em si mesma, mas se tornou ainda mais retumbante nas últimas semanas", disse Eng, referindo-se aos protestos em várias cidades dos Estados Unidos contra a presença de tropas federais.

Nas categorias de melhor ator dramático, é provável que Brian Cox encabece a lista por seu papel em "Succession", junto com Jason Bateman, por "Ozark", e Bob Odenkirk, por "Better Call Saul".

A ganhadora do Oscar Olivia Colman deverá encabeçar a disputa pelo prêmio de melhor atriz, com Laura Linney ("Ozark"), Jennifer Aniston ("The Morning Show") e Elizabeth Moss ("The Handmaid's Tale").


jt-jz/gma/mvv