Empresa de Robert De Niro processa ex-funcionária por assistir à Netflix no trabalho
capa

Empresa de Robert De Niro processa ex-funcionária por assistir à Netflix no trabalho

Além de maratonar séries, mulher também foi acusada de desviar dinheiro

Por
AE

Ex-funcionária Chase Robinson foi assistente pessoal de Robert De Niro

publicidade

A empresa de Robert De Niro, Canal Productions, processou em US$ 6 milhões (R$ 24 milhões) a ex-funcionária Chase Robinson, sob a acusação de desviar dinheiro e assistir à Netflix no horário de trabalho. As informações são da Variety

A mulher havia sido contratada como assistente do ator, em 2008, depois foi promovida a vice-presidente de produção e finanças e chegou a ganhar um salário anual de US$ 300 mil (R$ 1,2 milhão). Ela deixou o emprego em abril deste ano e responde na Justiça de Nova Iorque por gastar "valores exorbitantes" da empresa em hotéis, restaurantes e viagens pessoais. 

Além disso, Chase assistiu a 55 episódios de "Friends" por quatro dias, em janeiro. No período, ela ainda almoçou e jantou em restaurantes caros da cidade, usando o cartão de crédito da Canal Productions. 

A companhia alega também que a ex-funcionária maratonou 20 episódios de "Arrested Development" e dez de "Schitt's Creek", em vez de exercer suas funções. "Assistir a séries da Netflix não fazia parte de suas responsabilidades no trabalho. Ela usou o tempo para seu próprio divertimento e prazer, enquanto estava sendo paga para trabalhar", consta no processo. 

Apesar das supostas irregularidades, Chase Robinson não pareceu preocupada com isso antes de ser processada. Ela escreveu uma carta de recomendação para si pouco tempo depois de se demitir e pediu para Robert De Niro assinar, mas o ator se recusou.