Espetáculos inspirados em clássicos da literatura são atração em Porto Alegre

Espetáculos inspirados em clássicos da literatura são atração em Porto Alegre

Apresentações fazem parte do 21° Porto Verão Alegre

Por
Correio do Povo

Uma das atrações, "O Sertão em Mim" remonta clássico “Grande Sertão: Veredas", de Guimarães Rosa


publicidade

Nesta sexta-feira é possível conferir bons espetáculos, a partir de clássicos literários ou personalidades consagradas na área, pelo 21° Porto Verão Alegre. Apenas hoje, às 20h, e no sábado, 18h, no Instituto Ling, “Criaturas da Literatura” se utiliza de retroprojeções, sombras, efeitos de luz, telas, filtros de cor e objetos lúdicos, para fazer releituras de cenas icônicas de seis histórias clássicas. Todas as dimensões do palco e as paredes do auditório servem como telas, na narrativa com poucas falas, que reinventa situações famosas, como o crescimento do nariz de Pinóquio e o encolhimento de Alice, antes de desbravar o País das Maravilhas. 

Já Nina Eick é a protagonista e assina concepção e direção, junto com Fernando Kike Barbosa de “O Sertão em Mim”, de hoje a domingo, 20h, na Casa de Espetáculos (Visconde do Rio Branco 691). A partir de “Grande Sertão: Veredas”, o espetáculo traz Riobaldo revivendo sua história e colocando em questão diversos questionamentos muito atuais sobre o ser humano e o mundo, presentes na visão profunda de Guimarães Rosa.

Após o assassinato de Joca Ramiro, covardemente realizado pelas costas, ele busca a vingança, principalmente mobilizado por seu amor por Diadorim, outro homem, outro jagunço. O personagem é assombrado pela possível existência do demônio e de para ele ter perdido a alma, em um pacto. Porém, o diabo representa tanto os demônios que existem dentro de cada um de nós como também os presentes no mundo e em toda a parte.

Caio Fernando Abreu

“Caio do Céu”, por sua vez, traz a obra de Caio Fernando Abreu (1948-1996), sob a direção de Luís Artur Nunes, com a atriz Deborah Finocchiaro e o músico Fernando Sessé, de hoje a domingo, sempre às 21h, no Teatro do Centro Histórico-Cultural Santa Casa (Independência, 75).

O escritor, que em seus textos falava da condição humana, é o mote da montagem, por meio de crônicas, cartas, contos, poemas, textos teatrais, depoimentos, música ao vivo e projeções. O roteiro prioriza parte da obra do artista, que aparece em vídeos e trechos de entrevistas, valorizando a vida em todos os seus aspectos. E apresentando uma face pouco conhecida do autor: um homem vibrante e solar, que se revela desperto para o milagre da existência diante da iminência da morte - muitas vezes abordada com humor, leveza e profundidade.

Charles Bukowski

Notabilizado por uma literatura de caráter extremamente autobiográfico, Charles Bukowski (1920-1994) é tema de “Bukowski”, que segue até domingo, às 20h, no Teatro de Arena (altos do viaduto da Borges de Medeiros, 835). A peça traz da superfície ao subterrâneo psíquico, tanto do indivíduo quanto de sua relação em meio coletivo. Suas problemáticas, reflexões sobre a sociedade e aspectos de seu cotidiano.


Os 14 anos de trabalho ininterrupto nos correios de Los Angeles, nos Estados Unidos, sua relação com a primeira mulher, a infância e relação com os pais, as leituras que realizava em universidades e a relação com as mulheres são representados. Roberto Oliveira é o autor, diretor e protagonista do trabalho, que contou com uma detalhada e minuciosa pesquisa, tanto nos contos e poesias, quanto na biografia, que recriou o universo bukowskiano de forma fragmentada e não linear.