Exposição em Porto Alegre traz seleção de obras de Sérgio Sister
capa

Exposição em Porto Alegre traz seleção de obras de Sérgio Sister

“O Sorriso da Cor e Outros Engenhos” entra em cartaz a partir desta terça e fica na Capital até 1° de novembro

Por
Correio do Povo

Uma das obras do artista, série “Caixas” traz objetos feitos originalmente de caixas de frutas descartadas

publicidade

O artista Sérgio Sister inaugura “O Sorriso da Cor e Outros Engenhos” nesta terça-feira, em Porto Alegre, a partir das 19h, no Instituto Ling (João Caetano, 440). Além de apreciar sua arte, será uma oportunidade de conferir a conversa aberta ao público do artista paulista com a curadora Virgínia Aita. 

O conjunto apresentado reúne uma seleção de 22 obras oriundas das séries “Caixas”, iniciada em 1996, “Pontaletes”, feita a partir de 2006, e “Ripas”, de 2009. Além de pinturas em caixas de madeira, ripas e tijolinhos, a exposição também traz dípticos de óleo sobre tela. 

O processo criativo de Sérgio Sister resulta em variadas densidades de pintura e diferentes sobreposições e predominância cromática. Como desdobramento das questões de sua pintura, ele também faz peças tridimensionais. Nesta seleção de obras, “pinturas monocromáticas se revezam com ‘objetos’ e estruturas minimalistas. Já nos grandes dípticos em cores pop, ou nos pequenos formatos (minidípticos e pinturinhas), a superfície monocromática oscila, fazendo perceber jogos cromáticos”, detalha Virgínia Aita no texto curatorial da mostra. 

Os seus trabalhos antigos revelam uma poética associada às pinturas monocromáticas, formadas por camadas espessas de tinta. “Caixas” traz objetos feitos originalmente de caixas de frutas descartadas, sintetizando a obra do artista ao criar relações entre cores, luz, sombra e profundidade. A disposição cromática varia e é preciso um olhar cuidadoso para encontrar detalhes. Aparece nas caixas a marca registrada do artista − faixas de cor verticais, influenciadas por Brice Marden, artista norte-americano, geralmente descrito como minimalista, e por Sean Scully, pintor de origem irlandesa. 

• Exposição “25 quadros de ausência” marca aniversário de Mario Quintana

A “Pontaletes” reúne ripas pintadas e escoradas umas às outras, que formam uma composição geométrica e podem servir como portais. A “Ripas” exibe tiras coloridas colocadas na parede branca, demarcando o fundo à maneira de um quadro. São estruturas simples que reconfiguram as relações das cores.

Representante da chamada “Geração 80”, conhecida por ajudar no retorno da pintura na década de 80, Sérgio Sister participou das 9ª e 25ª edições da Bienal de São Paulo (1967 e 2002). Suas obras fazem parte de acervos como os do Museu de Arte Moderna de São Paulo, do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, da Pinacoteca do Estado de São Paulo, do Centro Cultural São Paulo e do Instituto Figueiredo Ferraz.

Já a curadora Virgínia Aita estudou Filosofia e História da Arte na Universidade de Columbia (Barnard College, NY), onde realizou seu pós-doutorado em Estética entre 2015 e 2016, e participou de cursos temporários na School of Visual Arts. Realizou curadorias na Fundação Iberê Camargo e em projetos independentes. As obras poderão ser conferidas até 1° de novembro, de segundas a sextas, das 10h30min às 22h, e sábados, das 10h30min às 20h. Quem quiser fazer agendamento para grupos ou escolas, pode acessar o e-mail: educativo@institutoling.org.br