Escritores debatem futuro da literatura hoje na Feira do Livro
capa

Escritores debatem futuro da literatura hoje na Feira do Livro

Evento, com Reginaldo Pujol Filho e Davi Boaventura, também terá sessão de autógrafos

Por
Correio do Povo

Evento com escritores será seguido de sessão de autógrafos

publicidade

Os escritores Reginaldo Pujol Filho e Davi Boaventura conversam hoje, na Feira do Livro, sobre os passos da literatura no futuro. A palestra ocorre na Sala O Retrato no Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (rua dos Andradas, 1223, 4° andar), a partir das 18h30min. A mediadora será Caroline Becker, professora do Colégio Aplicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs). Os dois também lançam hoje seus novos trabalhos, com sessões de autógrafos. 

“Na nossa conversa, queremos tentar entender que momento é este vivido na literatura, e que caminhos podemos seguir”, afirmou Davi, 33 anos e baiano de Salvador, mas morando há muito tempo no Rio Grande do Sul. Ele é jornalista e doutorando em Escrita Criativa. “Temos de pensar que a literatura é uma arte no meio de tantas outras criações humanas”, garantiu. “Vamos analisar o que pode ser feito ainda em termos de escrita nesta época em que tudo já foi feito”, destacou.

Questionamento

O jornalista questiona-se ainda: “Será que ainda vale a pena criar? Tudo já foi dito, mas não por todo mundo”, ressaltou. “Essa frase não é minha, ela foi tirada da obra ‘Não Contem com o Fim do Livro’, escrito por Jean-Claude Carrière e Umberto Eco", disse. “Além do que, precisar que já esgotamos tudo na criação é uma prepotência nossa. Muita coisa ainda pode acontecer, e vai acontecer”, finalizou. 

Após a palestra, ele estará na Praça de Autógrafos da Feira autografando seu mais recente livro, “Mônica Vai Jantar”, da Não Editora. Nele, Davi conta sobre uma mulher que está em casa, quando chega o marido, espancado. E ela descobre que ele apanhou por ter praticado um abuso sexual no ônibus, e Mônica fica questionando que o parceiro não era quem ela imaginava que fosse. Esta é a sua segunda obra, pois em 2012 ele lançou “Talvez Não Tenha Criança no Céu”. 

Diversidade de formas e estilos

Já o escritor gaúcho Reginaldo Pujol Filho estará dando autógrafos para seu livro “Não, Não É Bem Isso”, também da Não Editora. A obra é um conjunto de experiências narrativas, onde o autor parece querer começar do zero após cada ponto final. E, diante de um mundo onde dizem que tudo já foi dito, já foi tentado, a cada novo texto, segue a busca por uma forma diferente.

O resultado da obra é uma diversidade de formatos e estilos, que vão desde uma narradora criança a uma página de Wikipédia, de um monólogo teatral a uma nova visão sobre a arca de Noé, do humor à reflexão. Como um ator que se transfigura a cada papel, Reginaldo muda de voz de uma narrativa para outra. Uma voz que já não é feita só de palavras e frases, mas também da disposição delas na página e da própria página. E, a cada tentativa, pensar que “Não, Não É Bem Isso”, que é preciso seguir escrevendo em busca de outra forma, de outra história, de outra voz.