Incomode-Te apresenta ciclo de leituras "O Caminho das Coisas"

Incomode-Te apresenta ciclo de leituras "O Caminho das Coisas"

Atividade integra projeto alusivo aos 12 anos do coletivo gaúcho, com eventos sempre na última segunda-feira de cada mês

Correio do Povo

Publicada, em 2003, no livro “Cores Banais”, de Nelson Diniz, a peça “O Caminho das Coisas” foi escolhida como matéria-prima para esse experimento teatral totalmente on-line

publicidade

Apresentar um texto teatral com três versões, todas com elencos e diretores diferentes é a tônica do ciclo de leituras dramáticas “O Caminho das Coisas”, dentro da programação do projeto “Incomode-Te - 12 Anos de Diversidade Cultural”. Com início hoje, as atividades serão realizadas sempre na última segunda-feira de cada mês, às 19h, no canal do grupo no Youtube.

Encenada há exatamente três décadas em Porto Alegre e publicada, em 2003, no livro “Cores Banais”, de Nelson Diniz, a peça “O Caminho das Coisas” foi escolhida como matéria-prima para esse experimento teatral totalmente on-line. A trama leva à cena um casal e a reflexão sobre a dificuldade de as pessoas superarem as inquietações humanas, ouvirem umas às outras, sobre a falta de identidade. 

Em tempos de isolamento social e teatros fechados, a companhia convidou artistas de diversas trupes para ampliar as possibilidades de trocas de experiências. A estreia será com um trio feminino: as atrizes Adriane Azevedo e Sandra Possani , sob a direção de Liane Venturella. No dia 29 de março será a vez dos atores Arlete Cunha e Sirmar Antunes, sob a batuta do diretor Carlos Ramiro Fensterseifer. E, por fim, em 26 de abril, a última etapa terá Heinz Limaverde e João Carlos Castanha, dirigidos por Nelson Diniz.

As leituras integram o projeto Incomode-Te - 12 anos de Diversidade Cultural, produzido pela Primeira Fila Produções. A programação celebra o aniversário da trupe homônima e terá diversas atividades gratuitas até abril. A iniciativa foi contemplada pelo edital do Governo do Estado do RS, em atendimento à Lei Federal Aldir Blanc, que dispõe sobre ações emergenciais destinadas ao setor cultural a serem adotadas durante o estado de calamidade pública causada pela pandemia.


publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895