Indústria musical dos EUA se junta a protestos antirracistas com paralisação
capa

Indústria musical dos EUA se junta a protestos antirracistas com paralisação

As gravadoras mais importantes da indústria da música se comprometeram a parar seus negócios em solidariedade aos manifestantes antirracistas

Por
AFP

Legendário produtor Quincy Jones participará no "apagão" que a indústria musical convocou


publicidade

As gravadoras mais importantes da indústria da música se comprometeram a parar seus negócios na terça-feira em solidariedade aos manifestantes antirracistas, que estão exigindo mudanças sociais estruturais e o fim da brutalidade policial. 

Atlantic Records, Capitol Music Group, Warner Records, Sony Music e Def Jam, entre muitas outras empresas, aderiram à iniciativa #TheShowMustBePaused (o show deve parar), que surgiu no calor dos protestos em massa que tomaram as ruas dos Estados Unidos por dias após o assassinato de um homem negro desarmado, George Floyd, por um policial branco em Minneapolis. 

"É difícil saber o que dizer, porque tenho lidado com o racismo a vida toda. Dito isso, ele está levantando a cabeça feia agora e, por Deus, é hora de enfrentá-lo de uma vez por todas", disse o lendário produtor Quincy Jones. "Como guardiões da cultura, é nossa responsabilidade não apenas nos unir para comemorar vitórias, mas também nos apoiar durante uma derrota", afirmou. 

A Columbia Records enfatizou que terça-feira não será "um dia de folga", mas um tempo para "encontrar maneiras de avançar em solidariedade". "Talvez com a música desligada, possamos realmente ouvir", disse a empresa. 

Muitos selos também se comprometeram a doar para organizações de direitos civis. Inúmeros protestos, principalmente pacíficos e expressando a raiva das pessoas pela brutalidade racista da polícia, se tornaram violentos em diferentes partes do país no fim de semana. Policiais recorreram a gás lacrimogêneo, spray de pimenta e bombas de efeito moral para dispersar a multidão em meio a saques em lojas. 

A paralisação da indústria da música é anunciado quando dezenas de celebridades, incluindo Rihanna, Beyonce, Jay-Z, Dr. Dre, Taylor Swift, Cardi B, Billie Eilish e Killer Mike, expressaram sua raiva e solidariedade com a vítima. O ator Jamie Foxx e a estrela pop Ariana Grande se uniram aos protestos pessoalmente. 

"Nos últimos dias, a magnitude da devastação, raiva e tristeza que senti foi esmagadora, para dizer o mínimo! Ver meu povo sendo assassinado e linchado dia após dia me levou a um lugar sombrio", desabafou Rihanna, indignada, em sua conta do Instagram. 

"Todos nós testemunhamos seu assassinato em plena luz do dia. Estamos tristes e chateados. Não podemos normalizar essa dor", disse a cantora negra Beyoncé em um vídeo, pedindo assinaturas para uma petição exigindo #JusticeForGeorgeFloyd., que a plataforma Change.org disse que se tornou a maior de sua história. 

Seu marido e superstar Jay-Z relatou por meio de sua empresa Roc Nation que havia conversado com o governador de Minnesota, Tim Walz, e elogiou a nomeação do procurador-geral do estado, Keith Ellison, para prosseguir com um julgamento no caso de Floyd. 

"Eu sou um ser humano, um pai e um homem negro com dor ... estou mais determinado a lutar por justiça do que qualquer luta que aqueles que tentam me oprimir possam empreender", disse o rapper. "Peço a todos os políticos, procuradores e autoridades do país que tenham a coragem de fazer a coisa certa. Tenham a coragem de nos olhar como humanos, pais, irmãos, irmãs e mães com dor e se olhem", enfatizou.