Kevin Spacey se livra de acusação de agressão sexual
capa

Kevin Spacey se livra de acusação de agressão sexual

Promotor justificou decisão devido à falta de disponibilidade da testemunha que apresentou denúncia

Por
AFP

Kevin Spacey se livrou da acusação de agressão sexual de um jovem em Massachusetts

publicidade

As autoridades retiraram as acusações contra o ator americano Kevin Spacey por atentado ao pudor e agressão sexual contra um jovem em Massachusetts, em um caso que acabou enfraquecido pela própria suposta vítima. A decisão era esperada após a audiência de 8 de julho, durante a qual a suposta vítima da agressão, em julho de 2016, decidiu manter silêncio para não se incriminar.

Em carta dirigida ao juiz, o promotor da ilha de Nantucket - onde teriam ocorrido os fatos - justificou sua decisão "devido à falta de disponibilidade da testemunha que apresentou a denúncia". Foi nesta ilha que o protagonista de "House of Cards" e do premiado filme "Beleza Americana" teria tocado o pênis de um jovem de 18 anos, funcionário de um bar, em julho de 2016, após convidá-lo para uma bebida.

A denúncia por atentado ao pudor e agressão ocorreu no final de 2018, após o surgimento de várias outras acusações de agressão sexual contra jovens seguindo os passos do movimento #MeToo. Nenhuma das outras acusações, tando nos Estados Unidos como em Londres, levou a um processo penal.

No caso de Massachusetts, o celular da suposta vítima era chave: o jovem o utilizou para gravar a suposta agressão e para comentar com a namorada e um grupo de amigos o ocorrido. Mas o telefone, que a defesa queria examinar, desapareceu.

Consultado sobre o que fez com o telefone e as mensagens na audiência de 8 de julho, o jovem garantiu que não apagou nada, mas quando foi advertido de que qualquer manipulação do telefone poderia significar um processo contra ele, a suposta vítima recorreu à Quinta Emenda da Constituição, que lhe permite manter silêncio para não se incriminar.

A mãe do jovem, a apresentadora de televisão Heather Unruh, admitiu ter apagado algumas imagens do telefone que poderiam envergonhar seu filho antes de entregá-lo à polícia, mas garantiu não ter alterado nada ligado à suposta agressão.