Lagerfeld era um estilista em constante evolução, diz historiadora
capa

Lagerfeld era um estilista em constante evolução, diz historiadora

Estilista morreu nesta terça-feira aos 85 anos

Por
AFP

Karl Lagerfeld era conhecido por ser um estilista em constante evolução

publicidade

Embora em sua maneira pessoal de se vestir Karl Lagerfeld fosse facilmente reconhecido, suas criações eram caracterizadas por seu ecletismo e sua capacidade de se reinventar o tempo todo, capturando o espírito da época. O estilista foi responsável por três marcas (Chanel, Fendi e a grife homônima), mas seu nome é principalmente associado à maison Chanel, onde ele não hesitou em revolucionar os códigos existentes e para a qual ele organizou desfiles espetaculares. Nesta terça-feira, o ícone da moda morreu aos 85 anos

Lagerfeld adotou os clássicos da marca, como os tweeds, as pérolas e as correntes de ouro. "Ele foi o primeiro a repensar todos os códigos da casa para usá-los de outra maneira", explica a historiadora de moda Catherine Örmen. Segundo ela, o toque de Lagerfeld era mais um estado de espírito do que um estilo reconhecível e estava em constante evolução. "Na década de 1980, suas silhuetas tinham costas muito largas. Na década de 1990, elas eram muito 'skinny', sempre de acordo com a época", explica.

• As frases mais mordazes de Karl Lagerfeld

Com ironia, o estilista costumava dizer que Gabrielle Chanel "odiaria" o trabalho dele. Quando chegou à Chanel, em 1983, a marca estava em um momento ruim. "Todos me disseram: 'não mexe nisso, está morto, acabou' e foi isso que me divertiu, foi um desafio e funcionou cem vezes melhor do que eu pensava", afirmou Lagerfeld. Ele lembrava do que Alain Wertheimer, coproprietário de Chanel e seu irmão Gérard, haviam dito a ele: "Faça o que quiser. Eu venderei a maison de qualquer maneira, não funciona. E eu respondi: 'escreva isso em um pedaço de papel'". 

Em 2014, Lagerfeld apresentou um vestido de alta-costura com bordados de concreto e, em 2015, ternos tridimensionais. "No entanto, ele cometeu alguns sacrilégios", recorda Catherine, citando um modelo de alta-costura de 1986 com crinolina, aquelas armações sob as saias rodadas para dar volume. "A senhorita Chanel certamente se revirou em seu túmulo!", acrescentou. Mas a liberdade foi o que o estilista alemão sempre reivindicou para sua arte. "

Lagerfeld era insaciável, sempre curioso, tomando emprestado de diferentes áreas, especialmente a rua ou o universo dos motociclistas, do surfe", lembra a britânica Emma Baxter-Wright, autora de "Little Book of Chanel", que destaca "insolência" do criador. Seus desfiles eram esperados como shows de Chanel e sempre tiveram cenários grandiosos. Cada desfile tinha um tema e seu universo, recriado no Grand Palais de Paris, em um museu, um supermercado, um aeroporto, um jardim zen, uma floresta, um iate de luxo, etc. 

Nos desfiles, Lagerfeld tinha a seu lado Virginie Viard, diretora do estúdio que supervisiona oito coleções por ano. Uma fiel colaboradora com quem trabalhou por mais de trinta anos. "Sem Virginie, o desfile não existiria. Ela está por trás de todas as coleções. É um dos elementos essenciais da Chanel, juntamente com Bruno (Pavlovsky, presidente de atividades de moda da Chanel) e Eric (Pfrunder, diretor de imagem)", assegurou o "Kaiser" em maio de 2018.