Luiz Carlos Felizardo é tema de documentário
capa

Luiz Carlos Felizardo é tema de documentário

Curta-metragem sobre fotógrafo de 71 anos integra a série sobre artistas do acervo do Margs

Fotografia "Magliani', de 1979, de Luiz Carlos Felizardo, que integra o acervo do Margs


publicidade

O fotógrafo Luiz Carlos Felizardo, de 71 anos, é tema de curta-metragem, com lançamento hoje no canal do Margs no YouTube (https://www.youtube.com/channel/UCyH6lDVOn8CZEfMW4JIY46w). Até o final do mês também serão feitas publicações de conteúdo, nas redes sociais do museu, sobre o conhecido artista e sua estética singular. Sua característica marcante é a busca por criar imagens capazes de reproduzir uma grande variação de tons de cinza e a memória que alguns objetos carregam

 

O documentário “Luiz Carlos Felizardo, um fotógrafo na estrada”, com direção de Gilberto Perin e Emerson Souza, apresenta, como temas centrais, a trajetória, a técnica e as influências da arte fotográfica de Felizardo.  Também é abordado o enfrentamento da doença Machado-Joseph, que afeta a coordenação motora do fotógrafo, desde o ano de 2006. Em decorrência da doença, ele teve de se adaptar à câmera digital, pois sempre usava as de grande formato.  

 

O espectador percorre as memórias de viagens de Felizardo pelo interior do Rio Grande do Sul, realizando trabalhos na área da fotografia publicitária e industrial, paralelamente à sua produção artística. Felizardo diz que “fotografava em cores para os clientes e em preto e branco para si”. O curta também discorre sobre a sua paixão por fotografar cemitérios, encarados de forma leve e natural. Conta que sempre utilizou tripé para realizar suas fotografias, cuja conta ultrapassa os 18 mil negativos. Sobre a doença, com que convive desde 2006, revela que esta interferiu na sua possibilidade de deslocamento por vontade própria.

 

A produção inclui ainda uma visita do fotógrafo à reserva técnica do Margs, onde revê e comenta fotografias suas que fazem parte do acervo do museu. São 76 fotografias em preto e branco, produzidas entre 1975 e 1979, adquiridas por doação do artista e por compra. As fotos retratam paisagens rurais, urbanas e litorâneas, além de objetos e pessoas, com vários matizes de cinza, entre o preto e branco.

 

 Para Gilberto Perin, Felizardo é um fotógrafo rigoroso na parte técnica, tudo para que suas fotos adquiram uma aparente simplicidade para que o espectador não fique pensando em como ele conseguiu fazer aquela foto e quais recursos foram usados. “Essa simplicidade aparente é resultado da técnica e muita dedicação na hora de captar, por exemplo, uma simples parede de pedra das Missões Jesuíticas em São Miguel das Missões”, comenta Perin. Emerson Souza relata que “em suas obras, em preto e branco, podemos analisar muito do seu conhecimento técnico somado a suas referências, resultando em verdadeiras obras de arte”.

 


A apresentação do vídeo integra uma série e marca as comemorações de aniversário de 38 anos da Associação dos Amigos do Museu de Arte do Rio Grande do Sul e integra também a programação do mês de aniversário dos 66 anos do MARGS, comemorado em 27 de julho.