Madonna critica o porte de armas de fogo no clipe "God Control"

Madonna critica o porte de armas de fogo no clipe "God Control"

Produção traz imagens explícitas de um tiroteio dentro de boate LGBTQ+

Lou Cardoso

Madonna fez diversas referências no clipe de "God Control"

publicidade

Madonna não seria Madonna sem polêmicas, críticas e manifestos através da sua música. A cantora americana lançou, na tarde desta quarta-feira, "God Control", o quarto videoclipe de "Madame X", seu 14º álbum de estúdio. Nele, a artista realizou um dos seus vídeos mais "perturbadores", no qual utiliza a narrativa inversa para escancarar o retrato infeliz e cruel do porte de armas de fogo nos Estados Unidos. 

Madonna inicia o clipe com uma mensagem advertindo sobre as imagens explícitas, mas como a própria destaca, nada que não tenha sido visto nos noticiários: "E que precisa parar", reforça a mensagem. Durante o desenrolar, a cantora escreve a letra de "God Control", que protesta contra a política de armamento americano, enquanto também acompanhamos a popstar se arrumando para ir a uma boate. Entre estes momentos, um coral canta durante um velório. 

Protesto 

Além disso, "God Control" utiliza de imagens reais de protestos pedindo maiores restrições para armas de fogos e a cantora também faz uso de uma frase da escritora Angela Davis: "Eu não vou mais aceitar as coisas que não posso mudar. Eu vou mudar as coisas que não posso aceitar". 

No vídeo, Madonna fez referência ao massacre que ocorreu na boate Pulse, na Flórida, em junho de 2016, onde 49 pessoas morreram e 53 ficaram feridas em um tiroteio causado por um homem que entrou armado com um fuzil e uma pistola automática na boate LGBTQ+.

Entre outras referências, o clipe dirigido por Jonas Akerlund é ambientado nos anos 1970, remetendo também à revolta de Stonewall, em Nova Iorque, e ao próprio clipe antigo da cantora, "Deeper and Deeper". 

O vídeo contém cenas fortes. Confira: 


publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895