Marília Mendonça morreu por politraumatismo, conclui perícia

Marília Mendonça morreu por politraumatismo, conclui perícia

Todos os ocupantes do avião morreram devido às lesões causadas pela queda, diz laudo; causa do acidente ainda é investigada

R7

Aeronave com Marília Mendonça e mais quatro pessoas a bordo se chocou contra o solo

publicidade

A Polícia Civil de Minas Gerais concluiu, nesta quinta-feira, que a cantora Marília Mendonça e a equipe que estava no avião acidentado no interior do Estado morreram vítimas de um politraumatismo contuso, provocado pelo choque da aeronave ao solo. Os investigadores ainda trabalham para identificar o que provocou a queda do bimotor King Air C90, no último dia 5 de novembro, na cidade de Piedade de Caratinga, a 243 km de Belo Horizonte.

Thales Bittencourt, médico-legista chefe do IML (Instituto Médico-Legal) Belo Horizonte, explica que os exames realizados com material biológico das vítimas descartaram a possibilidade de piloto ou copilito terem passado mal durante o voo. "As análises de teor alcoólico e toxicológico também não evidenciaram o consumo de substâncias ou intoxicações que pudessem contribuir com a morte", acrescenta o especialista sobre os laudos referentes às cinco pessoas que estavam na aeronave.

De acordo com Bittencourt, os peritos também não identificaram indícios de que a tripulação tenha morrido ainda no ar, em função da desaceleração causada pela perda do motor que atingiu o cabo de alta-tensão da Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais).

O legista detalha que foram encontradas diversas lesões graves em partes vitais dos corpos das vítimas, caracterizando o politraumatismo contuso. Um membro da perícia já havia adiantado o possível laudo ao R7. Segundo Thales Bittencourt, as áreas mais afetadas eram os crânios, tórax e os abdomens os passageiros e pilotos.

O voo

O avião, com destino a Caratinga (MG), caiu na zona rural de Piedade de Caratinga, a aproximadamente 300 quilômetros de Belo Horizonte. Além da sertaneja, estavam na aeronave o piloto Geraldo Martins de Medeiros, o copiloto Tarciso Pessoa Viana, o tio e assessor de Marília, Abicieli Silveira Dias Filho, e Henrique Ribeiro, produtor da artista. Todos morreram.

Veja Também


publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895