Max 2019 começa sua 4ª edição com debates sobre mercado audiovisual brasileiro

Max 2019 começa sua 4ª edição com debates sobre mercado audiovisual brasileiro

Minas Gerais Audiovisual Expo teve abertura oficial nesta quinta-feira em Belo Horizonte

Lou Cardoso

Maria Angela de Jesus participou do painel de abertura da Max - Minas Gerais Audiovisual Expo nesta quinta

publicidade

Começou nesta quinta-feira, em Belo Horizonte, a 4ª edição do Max - Minas Gerais Audiovisual Expo, que terá em sua programação painéis de debates focados no mercado audiovisual brasileiro. O evento aposta na importância da indústria criativa como ferramenta de inserção e democratização da cultura. A abertura teve a apresentação da Orquestra de Câmara SESIMINAS, com a regência do maestro Marco Antônio Drumond, com a execução de trilhas sonoras de clássicos do cinema mundial como "O Mágico de Oz", "A Noviça Rebelde", "Titanic", "A Lista de Schindler" e "Star Wars". 

Em seguida, a diretora de produções internacionais da Netflix no Brasil, Maria Angela de Jesus, abriu o primeiro painel do evento. Como responsável pelo time de produção de séries brasileiras para a empresa, falou sobre as estratégias no mercado brasileiro, os caminhos para um conteúdo chegar à Netflix e o relacionamento da empresa com o mercado nacional. "Buscamos boas histórias, que criem um engajamento emocional e que permaneçam para sempre. Acho que esta é a força: buscar histórias diversas. As boas histórias suplementam o gênero e queremos levá-las para os nossos assinantes", contou. 

De acordo com a executiva, os dados de audiência são importantes para a empresa entender o que os assinantes estão consumindo, mas isso não é determinante na construção da história. Inclusive, destacou que a liberdade de não ter um formato fechado permite que a Netflix produza séries em variados formatos tendo, por exemplo, produções com 6 episódios e outras com 10. Dependendo da necessidade criativa do projeto. "Não se prendam que a Netflix só quer série jovem ou comédia. Não temos um modelo fechado. Podemos realizar uma série original, acompanhando todo o seu desenvolvimento. Buscamos histórias com força local que possam viajar para outros territórios". 

Maria Angela Jesus durante painel na MAX 2019. Foto: Paulo Marcio / Divulgação / CP 

Quanto a parceria com produtoras independentes, Maria Angela enfatizou que a Netflix tem incentivado cada vez mais esta troca. "Produtores independentes são os nossos principais parceiros. Damos suporte para estarem conosco e produzindo. A variedade ajuda a oxigenar o conteúdo. As séries 'Coisa Mais Linda', '3%', 'Sintonia', 'Irmandade' e 'Ninguém Tá Olhando', cada uma foi feita com uma produtora diferente. A gente só ganha com a diversidade de produtores. Está no nosso DNA esta troca e estamos abertos a discutir e entender o que o produtor tem a oferecer."

Cinema e concorrência no streaming

Sobre a exibição de longas de diretores consagrados do cinema, como "Roma" de Alfonso Cuarón, e "O Irlandês" de Martin Scorsese, a diretora entende que o cinema nunca vai perder a sua essência, apenas o que muda é a sua forma de consumo. "Cinema é feito de histórias e a tecnologia nos ajuda a contá-las. Por isso que a Netflix busca histórias diferentes que estão na nossa plataforma paras pessoas diferentes. O cinema está aí, só muda a forma de assistir". 

Com a chegada de outras empresas de streaming como Apple TV+, Disney+, e outras que já estão no mercado como Amazon, Hulu e HBO Go, Maria Angela enfatizou que a concorrência é inerente, mas que a Netflix não está preocupada com isso. "Com este crescimento, quem vai ganhar é o consumidor, são os produtores. Nos preparamos com bons conteúdos e com boas relações, estabelecendo parcerias fortes, trazendo produções locais, construimos histórias de toda parte do mundo. Estamos com talentos que trabalham e fazem questão de estarem conosco, isso faz uma grande diferença. Dar liberdade criativa com quem trabalha com a gente é essencial". 

Quando aos interessados em enviar um projeto para a Netflix, Maria Angela orientou que o produtor precisa, primeiramente, enviar um e-mail informando sobre o projeto, independente da fase de realização dele, que a empresa entrará em contato para enviar um link de upload para avaliação. O endereço pode ser encaminhado a Isadora Laban, responsável pela organização dos projetos na fase inicial: ilaban@netflix.com

A Max - Minas Gerais Audiovisual Expo segue em Belo Horizonte até esta sexta-feira com debates, oficinas, atividades e rodadas de negócios no cenário audiovisual brasileiro. 


publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895