Morre José Luis Cuerda, autor de clássicos do cinema espanhol

Morre José Luis Cuerda, autor de clássicos do cinema espanhol

Cineasta produziu 15 filmes em quatro décadas

AFP

Cineasta produziu 15 filmes em quatro décadas

publicidade

O cineasta José Luis Cuerda, autor de filmes considerados clássicos do cinema espanhol como "Amanece que no es poco" e "A língua das mariposas", morreu nesta terça-feira, anunciou a Academia de Cinema. "Morre o diretor, roteirista, produtor e escritor José Luis Cuerda, responsável por títulos como 'Amanece que no es poco' e 'A floresta encantada', além de vencedor de dois Prêmios Goya", escreveu a Academia no Twitter. O diretor, com uma carreira prolífica de quinze filmes em quatro décadas, tinha 72 anos.

O grande público o conheceu com "A floresta encantada", uma adaptação do romance homônimo de Wenceslao Fernández Flórez, que ganhou cinco prêmios Goya em 1988, incluindo o de melhor filme. "O que escrevo geralmente é cheio de ocorrências que podem parecer bobagens, mas que nascem do que acontece; elas são tão reais quanto a própria realidade", afirmou o cineasta ao jornal El País.

"A língua das mariposas", uma história emocionante entre uma criança e seu professor peculiar (Fernado Fernán Gómez) na Galiza em 1936, recebeu treze indicações para o Goya em 2000, embora só tenha ganhado o prêmio por melhor roteiro adaptado. Mais tarde, dirigiu filmes como "A educação das fadas" (2006) e "Os girassóis cegos" (2008), com o qual também ganhou o Goya de melhor roteiro adaptado. Seu último filme foi "Tempo depois", lançado em dezembro de 2018 e definido pelo diretor como uma sequência de "Amanece que no es poco"


publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895