Morre o escritor gaúcho Benedito Saldanha

Morre o escritor gaúcho Benedito Saldanha

O presidente da Associação Partenon Literário e funcionário municipal, 52 anos, faleceu em sua casa, em Porto Alegre

Por
Adriana Androvandi

Escritor Benedito Saldanha em uma de suas sessões de autógrafos na Feira do Livro.


publicidade

Morreu em casa, no domingo passado, o escritor Benedito Saldanha, 52 anos, em Porto Alegre. Seu nome completo era Benedito Melgarejo Saldanha. Ele era funcionário da Prefeitura Municipal, mas se destacou no ambiente literário do Rio Grande do Sul não apenas por escrever livros, mas também por estar à frente de entidades que fomentavam atividades literárias e incentivavam novos autores, como o Paternon Literário, sociedade da qual era o atual presidente. 
O Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa) divulgou em seu site uma nota de pesar pelo colega, dizendo que ele morreu após afastamento do trabalho por suspeita de Covid-19. “Honramos a memória do colega, lembrando também da sua trajetória como pesquisador e escritor”, diz parte do texto. “Junto com familiares e amigos, sentimos com profunda tristeza a abreviação de mais uma vida neste contexto da pandemia”, complementa outra parte da nota. O velório deve ser reservado à família, devido ao momento.
Saldanha também foi presidente da Academia de Letras e Artes de Porto Alegre e criador do Jornal Revolução Cultural e do Sarau com Ritmo. Publicou os livros “A Mocidade do Parthenon Litterário”, “Laços Eternos” e “Luciana de Abreu”, entre outros. Também é de sua autoria “Grandes Momentos do Rádio Gaúcho”. Saldanha também foi o idealizador do Concurso Poético Expresso das Letras, que contribui para a revelação de novos talentos da poesia.
Na Feira do Livro do ano passado, ele lançou o livro “As Jornalistas”, com perfil de 25 profissionais da Comunicação do RS. Uma destas jornalistas enfocadas no livro é Marinês Bonacina, com quem o escritor estava trabalhando na antologia que o Partenon Literário lança anualmente. Ela se disse chocada com a morte do amigo. “Falei com ele por telefone dias atrás e ele tinha sintomas de uma gripe”, contou. Sua morte pegou todos de surpresa. Contudo, ainda não há confirmação de que a morte se deu pelo novo coronavírus. Marinês, que também é a presidente da Casa do Poeta Latino-americano, diz que tanto esta entidade como o Partenon Literário pretendem fazer, futuramente, homenagens ao escritor pela sua dedicação à literatura no Estado.