Mostra apresenta em Porto Alegre colagens que narram diferentes realidades
capa

Mostra apresenta em Porto Alegre colagens que narram diferentes realidades

Obras da artista Dedé Ribeiro estão disponíveis para visitação até 8 de março

Por
Correio do Povo

Mostra de Dedé Ribeiro é dividida em três eixos temáticos

publicidade

O envolvimento de Dedé Ribeiro com a arte se dá em vários níveis. Produtora cultural, gestora, dramaturga e também artista visual, Dedé abre hoje em Porto Alegre, das 18h30min às 21h, a sua nova exposição individual, “A Escolha do Acaso”, no Centro Histórico-Cultural Santa Casa (Independência, 75). A mostra está disponível para visitação até 8 de março.

Nesta mostra, Dedé exibe a nova série de trabalhos, marcada por uma novidade temática: a manifestação de sua faceta dramatúrgica na composição de suas colagens. Nas novas obras é possível perceber pequenas metáforas e até fábulas, formando realidades possíveis trazidas à tona a partir de uma sucessão de escolhas. O acaso como força motora surge do ato da sucessão de escolhas: a sorte de ter em mãos certa revista, matéria prima para o trabalho; a seleção aleatória de figuras nelas contidas, recortadas e armazenadas em uma espécie de banco de imagens; e a manifestação da preferência por um conjunto dessas imagens para composição de uma obra. 

Três eixos temáticos

A exposição é dividida em três eixos temáticos: “A Escolha do Acaso” − 12 obras que dão nome à exposição e formam oráculo cuja mensagem será sugerida ao público de forma interativa. A segunda é “Diagnóstico por Colagem” - série de obras feitas usando como base exames médicos (tomografias, raios-x, etc) cujos títulos são perguntas que instigam o público a interrogar-se sobre o que vê, da relação da obra com seu título e de sua relação com a questão em si.

A terceira, por sua vez, é “Crônicas Visuais”, coletânea de obras cujos temas são relacionamentos, meio ambiente, questões de gênero, entre outros, um convite ao exercício do olhar àquilo que surge ou acontece a esmo, sem motivo ou explicação aparente.

"Meu trabalho começou a se mexer sozinho, depois das primeiras exposições. Acho que antes havia uma vontade tão grande de romper com a palavra que eu evitava ao máximo a narrativa. Agora parece que consegui conciliar “a dramaturga” com “a colagista” e as novas colagens tem pouco desenho (embora tenham) e muita narrativa, afirma Dedé.