Mostra com quatro longas de Costa-Gravas abre programação de 2020 da Cinemateca Capitólio
capa

Mostra com quatro longas de Costa-Gravas abre programação de 2020 da Cinemateca Capitólio

Filmes do renomado diretor poderão ser conferidos a partir desta terça, às 14h

Por
Correio do Povo

Filmes de Costa-Gravas abrem programação da Cinemateca Capitólio, em Porto Alegre

publicidade

A programação de filmes da Cinemateca Capitólio (Rua Demétrio Ribeiro, 1085) será retomada nesta terça-feira depois das festas de final de ano com mostras e sessões especiais. A “4 x Costa-Gavras” é a mostra que apresenta os quatro primeiros longas-metragens do realizador greco-francês Constantin Costa-Gavras. 

O escolhido para abrir o ciclo é “Crime no Carro Dormitório”, estrelado por Michel Piccoli, Yves Montand e Simone Signoret, com sessão, nesta terça-feira, às 14h. Na trama, o cadáver de uma mulher é encontrado em um vagão de trem assim que ele chega a Paris, na França, levando um policial a reter os viajantes dentro do veículo até a resolução do crime. Porém, os passageiros remanescentes vão sendo assassinados um por um e os poucos restantes precisam solucionar o mistério antes que se tornem as próximas vítimas. 

História e política

Integram a mostra também “A Confissão”, com Yves Montand, Simone Signoret e Gabriele Ferzetti, que se passa no ano de 1951, em um país comunista do Leste Europeu. No filme, Gerard, o vice-ministro de Relações Exteriores, é inexplicavelmente preso pelos superiores. Não lhe dizem por qual motivo foi detido e o jogam numa cela para ficar sempre andando.

Paralelamente Lise, sua esposa, vê sua casa ser invadida por “agentes de segurança” que se comportam como nazistas. Apesar de sempre ter se dedicado ao partido, Gerard faz autocrítica, pois quer saber que erro pode ter cometido que o deixou nesta situação. Após diversos meses, Gerard descobre que será acusado em julgamento conduzido pelo seu governo. 

Um dos mais conhecidos filmes do realizador, “Z” também ganha sessão no Ciclo do Capitólio. Tendo como trama básica o assassinato de um político liberal (Yves Montand) cometido como se fosse um acidente, é retratado o caso Lambrakis, fato acontecido na Grécia no início da década de 60, no qual a investigação sobre a morte do político foi escandalosamente encoberta por uma rede de corrupção e ilegalidade na Polícia e no Exército. Foi com este longa que Costa-Gavras ganhou destaque no cenário internacional e com o qual venceu o Oscar e o Globo de Ouro de melhor filme estrangeiro.

E tem ainda, na programação, “Tropa de Choque: Um Ano a Mais”. Nele, em meio à II Guerra Mundial, soldados franceses são resgatados de uma prisão nazista. Mas, um guerreiro sem patente e dito pacifista é encontrado com os outros. Ele, então, é convidado, depois de muita discussão entre os homens, a acompanhá-los em seu trajeto e o caráter dúbio desse desconhecido terá inesperadas consequências. 

Considerado um dos nomes mais importantes do cinema político moderno, Costa-Gavras nasceu no vilarejo de Lutra Iréas, na península do Peloponeso, e estudou em Atenas. Após a guerra civil grega (1945-1949), deixou a Grécia para estudar Literatura na Sorbonne, em Paris. 

Costa-Gravas interrompeu seus estudos em 1956, para se inscrever no Instituto de Altos Estudos Cinematográficos (IDHEC), iniciando sua carreira no cinema. Em seguida, ele atuou como assistente de diretores como René Clair, Yves Allegret, René Clement, Marcel Ophuls, Jacques Demy. Henri Verneuil, e Jean Becker. Foi nomeado presidente da Cinemateca Francesa em 1981 e em 2007.