Mostra traz olhar crítico sobre a Capital e sua relação com o Guaíba

Mostra traz olhar crítico sobre a Capital e sua relação com o Guaíba

“Água Viva” reflete sobre como Porto Alegre se distanciou do rio

Correio do Povo

Mostra de Deniz Rodriguez conta com chuva artificial, que cai diariamente sobre as obras

publicidade

Criar uma espécie de aquário submerso no centro de Porto Alegre para tratar da relação da cidade com águas do Guaíba. Essa é a proposta da mostra “Água Viva”, idealizada pelo artista Denis Rodriguez e que está em cartaz na Capital até o dia 19 de setembro, na Galeria Península (Andradas, 351). A visitação pode ser feita de terça a sábado, das 14h às 19h, com entrada gratuita.

Dividida em dois segmentos, a exposição começa apresentando as obras de Rodriguez, entre as quais estão mapas, cartas náuticas, desenhos, colagens, pinturas e registros distintos do passado e do presente. O trabalho do paulista radicado em Porto Alegre, reflete sobre as relações entre o público e o privado e entre a natureza e a cultura para problematizar como a Capital virou as costas para o Guaíba, se distanciando do rio.

Já a segunda parte revela algo que poderia ajudar a solucionar tal situação levantada. A seção foi realizada com a colaboração de quatro arquitetos e o escritor Daniel Galera, que foram convidados por Rodriguez a pensar em alternativas para os mais diversos impedimentos que afastam a comunidade porto-alegrense de suas águas.

Assim, Nathalia Cantergiani, Carol Tonetti, Marina Portolano e Alberto Gomez assinam três maquetes que propõem ativar no centro, mais especificamente no Cais do Porto, uma piscina pública - que seria instalada na antiga marina da cidade, em frente à Praça Brigadeiro Sampaio, local onde está prevista a construção de duas torres comerciais de 25 andares, conforme o projeto Cais Mauá.

As três propostas estão em votação, em uma urna na galeria. Ao final de "Água Viva", a mais votada pelos visitantes será levada às autoridades como um gesto crítico e poético, no contexto dos movimentos que têm colocado em discussão as ideias de reforma e urbanização do Cais. 

Chove, chuva
Toda exposição está, ainda, condicionada a efeitos de chuva, remetendo à ideia de um aquário – e, mais uma vez, destacando a importâncias das águas. Diariamente, em momentos específicos, uma chuva artificial cai sobre a mostra, graças à suspensão de câmaras de pneus no teto, que estabelecem um sistema de nuvem. O público não precisa estar dentro do espaço neste momento, mas, quem quiser, pode vestir uma roupa adequada e participar da experiência.

publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895