"Mulher-Maravilha" é a força da representatividade feminina em filmes de super-heróis

"Mulher-Maravilha" é a força da representatividade feminina em filmes de super-heróis

Longa estreia nesta quinta-feira e conta as origens da amazona Diana Prince

Lou Cardoso

Gal Gadot interpreta a amazona Diana Prince em "Mulher-Maravilha"

publicidade

"Mulher-Maravilha" chega aos cinemas com muitas responsabilidades para cumprir na história da indústria. Além de ser o primeiro filme, de fato, protagonizado por uma mulher no papel de uma super-heroína, o longa também tem a missão de salvar a pele da DC Comics depois de fiascos como "Esquadrão Suicida" e "Batman Vs Superman: A Origem da Justiça". E a verdade é que nunca houve tantos acertos em um filme da DC. Começando pela escolha da diretora Patty Jenkins que soube colocar a força feminina em um universo cheio de super-heróis e agora abre um novo caminho para esta representatividade que tanto precisávamos. Em uma rápida pesquisa, é possível encontrar apenas três filmes inspirados nos quadrinhos da Marvel e DC que possuem uma mulher como protagonista: "Supergirl" (1984) com Helen Slater, "Mulher-Gato" (2003) com Halle Barry e "Elektra" (2004) com Jennifer Garner. Porém, nem por isso significa que são obras originais. O primeiro é uma versão feminina do "Superman" e as duas últimas são spin-offs de "Batman" e o "Demolidor", e que na verdade nem são heroínas de verdade. A Mulher-Maravilha tem este frescor por se tratar de uma história que desde sempre caminhou com as próprias pernas.

No filme que chega nos cinemas nesta quinta-feira, ele não necessariamente apresenta uma continuação de "Batman Vs Superman", onde Gal Gadot fez a sua estreia no papel, mas apresenta as origens da deusa amazona que nasceu e foi criada na ilha Themyscira. O lugar tropical, pacífico e colorido que é habitado somente por mulheres contrasta com o mundo frio, violento e triste dos humanos que sofrem com os horrores da Primeira Guerra Mundial (1914-1918). A rotina no local muda quando o espião britânico Steve Trevor (Chris Pine) é salvo por Diana (Gadot) após fugir dos alemães. Ao saber do que acontece no mundo dos homens, Diana é tomada pelo espírito de altruísmo e vê a necessidade de acompanhar o soldado em Londres para ajudar a salvar a humanidade. A partir deste ponto que o filme de Jenkins começa a ganhar forma e desenvolver a transformação de uma jovem ingênua para uma mulher guerreira.

"Mulher-Maravilha" possui os mesmos elementos que estamos muito acostumados a assistir em filmes de super-heróis e nem por isso se torna extremamente previsível e cansativo. Afinal, se não fosse para lutar contra o mal, os personagens não carregariam o título de heróis no fim do dia. Como uma espectadora, o longa provoca um orgulho tremendo em assistir uma mulher lutando bravamente contra os vilões assim como vemos "Homem-Aranha", "Thor", "Capitão América" e até o debochado "Deadpool" constantemente nos cinemas. Para uma mulher, isso tem um significado imenso de igualdade e representatividade nas telas. E não se trata apenas das questões de gênero. O longa também abre espaço para que Diana construa sua própria reflexão sobre uma realidade bem distante da perfeição que era a sua casa. Ela conhece problemas raciais que atingem os seres-humanos como acontece com seus parceiros de guerra, o árabe Sammer (Saïd Taghmaoui) e o índio The Chief (Eugene Brave Rock), e também toma parte de batalhas pessoais que algumas pessoas enfrentam como é o caso do alcoólatra Charlie (Ewen Bremner). Eles também entram na Grande Guerra por seus respectivos motivos, mas com o propósito de não se sentirem mais omissos em relação a tanto sofrimento. Assim como a protagonista, todos mostram que a honra de ajudar o próximo pode ser mais recompensadora do que simplesmente fugir quando há um pedido de socorro de um estranho.

A atriz Gal Gadot não poderia ter sido a melhor escolha para o papel. Ela pode apresentar uma aparência inofensiva, mas está longe de entregar uma heroína fraca. Com poucos filmes no currículo e com experiência de sobra no exército de Israel – onde serviu por dois anos -, Gadot mostrou uma interpretação competente e segura durante a projeção. A sua inocência perante o mundo dos homens traz os risos para aliviar a tensão da história e o mesmo ocorre com Chris Pine ao conhecer Themyscira. O ator também não está nada mal e é responsável por uma das cenas mais emocionantes. Mostrando totalmente o impacto que Diana teve na sua vida. O romance entre os dois também é transmitido de forma doce e equilibrada. Já que qualquer exagero poderia atrapalhar os objetivos do casal. Quem também merece todos os elogios possíveis é Robin Wright como Antíope. A postura forte da atriz é transmitido tanto pelo seu físico quanto pelas suas palavras. É extremamente arrepiante vê-la cavalgando e lutando com seu batalhão, e não é difícil de entender o por quê Diana querer tanto se tornar uma amazona como Antíope.

A diretora Patty Jenkins fez o que qualquer outro profissional faria para tornar um filme tão esperado se tornar um bom resultado: assistir os últimos trabalhos da DC Comics e fugir dos erros. O longa funciona perfeitamente e entrega tudo aquilo que as expectativas, principalmente as femininas e fãs do gênero, tanto aguardavam. Tem lutas incríveis, trilha sonora empolgante e um roteiro simples e inteligente. Sinceramente não enxergo defeitos que poderiam prejudicar o longa. A união de ter uma super-heroína protagonizando um blockbuster dirigido pela primeira vez por uma mulher reproduz uma imensa vitória para o público feminino em um gênero que é tão dominado pelos homens. Não que seja um descaso com os antigos heróis e que tanto nos acompanharam ao longo destes anos, mas a chegada da Diana Prince nos cinemas é tudo que nós, mulheres, queríamos e precisávamos. Talvez nem todos compreendam a mensagem que o filme carrega para o sexo feminino, mas a verdade é que a indústria, que é tão carente desta representatividade, finalmente tomou coragem para investir em um filme feminista como "Mulher-Maravilha". O futuro vai agradecer a este projeto que certamente vai ser fonte de inspiração para que mais heroínas possam salvar o mundo. Ou pelo menos, a reputação da DC Comics.


publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895