Para entender a importância do Setembro Amarelo

Para entender a importância do Setembro Amarelo

Buzz Editora participa da campanha, através dos livros "Massada" de Marcos Meier e "Antitarja preta" de Pablo Vinicius

Correio do Povo

Autor de "Antitarja Preta, o psiquiatra Pablo Vinicius analisa, investiga e compartilha com o leitor as origens dos sintomas e do sofrimento de alguns pacientes a que atendeu e nos faz questionar como estamos acostumados a nomear os sintomas e a querer uma solução rápida e indolor.

publicidade

Desde 2014, a campanha do Setembro Amarelo vem salvando vidas por pautar um assunto necessário: o suicídio. O Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio - 10 de setembro -  é organizado pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM). O assunto é abordado pela Buzz Editora, nos livros "Massada" de Marcos Meier e "Antitarja preta" do dr. Pablo Vinicius.

Carreira, família, finanças e vida amorosa e social. Tudo isso e muito mais durante uma pandemia… São tantas coisas para controlar que, muitas vezes, a ansiedade, algo enraizado em cada um, acaba se tornando uma depressão. No Brasil são registrados mais de 13 mil suicídios todos os anos e no mundo, mais de 1 milhão. Trata-se de uma triste realidade, que registra cada vez mais casos, principalmente entre os jovens. Cerca de 96,8% dos casos de suicídio estão relacionados a transtornos mentais. Em primeiro lugar está a depressão, seguida do transtorno bipolar e abuso de substâncias. 

Antitarja preta: o que é a medicalização da vida?
"Antitarja preta", nas palavras do próprio autor, o psiquiatra Pablo Vinicius, "não é um livro contra os remédios psiquiátricos, muito menos contra a psiquiatria. Não é um livro para negar a existência das doenças mentais. Ser antitarja preta é ser contra a medicalização da vida. É ser contra um sistema perverso, que tem por objetivo convencer as pessoas de que elas estão doentes quando, na verdade, estão simplesmente sofrendo. É ser contra a indústria que ganha todas as partidas desse jogo".

O autor analisa, investiga e compartilha com o leitor as origens dos sintomas e do sofrimento de alguns pacientes a que atendeu e nos faz questionar como estamos acostumados a nomear os sintomas e a querer uma solução rápida e indolor. No entanto, durante a jornada do médico com seus pacientes, fica nítido de que modo muitas vezes a ansiedade, a carência, o pânico e a depressão, são, na verdade, apenas um indício do que realmente precisa ser tratado.

Massada: um romance que retrata o maior suicídio em massa da história!
A tragédia que ocorreu em Massada, no ano 72 D.C, no maior suicídio coletivo da história, envolve mistérios até os dias atuais. Resultado de 20 anos de pesquisa de Marcos Meier, narra as incertezas que os judeus viviam naquela época, buscando encontrar caminhos em meio à fragilidade e aos preconceitos que sofriam por sua religião. A protagonista da história é Hadassa, uma mulher forte e à frente de seu tempo, que buscava acreditar no amor e na esperança por dias melhores, servindo como contraponto à situação extrema a que chegaria aquele grupo sitiado em Massada. A mensagem de Massada nos faz pensar a respeito de nosso propósito de vida e traz questionamentos sobre a espiritualidade de nosso tempo, além de esperança a todos aqueles que sentem que sua vida está cercada por um inimigo de que, aparentemente, não se pode escapar, evidenciando que sempre há uma saída.

 

 

 

 


publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895