Peças que são atração hoje em Porto Alegre abordam magia e terror
capa

Peças que são atração hoje em Porto Alegre abordam magia e terror

No Theatro São Pedro, "Expedição Monstro" tem foco em mundo repleto de criaturas estranhas

Por
Correio do Povo

"Expedição Monstro" tem como alvo público infantil

publicidade

Quem quiser curtir uma boa peça, tem diferentes opções em Porto Alegre nesta sexta-feira. “Expedição Monstro” é atração do Festival de Teatro para Crianças (Festecri) hoje, às 15h, no Theatro São Pedro (Praça da Matriz, s/n°). Vencedor do Prêmio Tibicuera 2018 de Teatro Infantil, o espetáculo da Cia. Indeterminada possui dramaturgia de Matheus Melchiona. 

Na apresentação, quatro crianças se juntam para uma emocionante expedição na floresta, onde encontrarão um novo sentido para a palavra "amigo" e enfrentarão seus medos e monstros, reais e imaginários. Muito diferentes entre si, elas se deparam com um mundo novo, cheio de magia, diversão e criaturas estranhas. Munidos com equipamentos e informações estratégicas, terão seus limites e habilidades testados pelos enigmáticos monstros que habitam o local. Mas as crianças não precisam se preocupar, pois como todos os bons exploradores, têm muita coragem. 

Já na agenda cultural do 21° Congresso Brasileiro de Arquitetos, o Ói Nóis Aqui Traveiz leva hoje, às 14h, “Caliban” ao Largo Glênio Peres. A partir do texto de Augusto Boal, “A Tempestade”, a peça analisa criticamente a onda conservadora que assola a América Latina.

Releitura de um clássico

Às 19h, por sua vez, tem show do Gill Jazz Trio, na Praça da Alfândega (Sepúlveda). Nas celebrações dos cinco anos do Projeto Gompa, o coletivo estreia “Frankenstein”, hoje e amanhã, às 19h, no Teatro Glênio Peres, da Câmara Municipal de Vereadores (Loureiro da Silva, 255). A entrada é franca, com distribuição de senhas no Memorial, hoje, das 9h às 17h ou amanhã, 30 minutos antes, conforme disponibilidade.

A montagem mescla dança, teatro, artes visuais e trilha ao vivo, para reinventar a obra de ficção científica. No palco, a trajetória de um ser gerado a partir de outros seres, que tenta se adaptar aos modelos sociais, mesmo sentindo toda a rejeição no olhar daqueles que encontra pelo caminho. A peça reflete sobre nossas relações de pertencimento, de identificação ou ausência de identificação, questionando o quanto nos sentimos incluídos ou parte de algo.