Piauí ganha museu que preserva a riqueza natural e cultural do Delta do Parnaíba

Piauí ganha museu que preserva a riqueza natural e cultural do Delta do Parnaíba

Museu do Mar revela ao público a diversidade de um dos lugares mais emblemáticos do Brasil

Correio do Povo

Durante a visita, os turistas poderão ver a ossada de um peixe-boi, o esqueleto de uma baleia cachalote e barcos em tamanho real

publicidade

Considerada uma das mais belas paisagens do mundo, o Delta do Parnaíba é o terceiro maior delta do planeta e o único das Américas que desagua em mar aberto. Sua porta de entrada é Parnaíba, cidade do litoral piauiense que ganhou uma importante obra para preservação do patrimônio cultural da região: o Museu do Mar. O empreendimento já nasce com o título de maior museu do Piauí e revela ao público a diversidade de um dos lugares mais emblemáticos do Brasil.

Um antigo armazém portuário do século XIX dá espaço ao museu. Durante a visita, os turistas poderão ver a ossada de um peixe-boi, o esqueleto de uma baleia cachalote e barcos em tamanho real. O espaço tem ainda teatro, biblioteca, espaços para apresentações artísticas, café, além de exposições com narrativas sobre comunitários do Delta do Parnaíba, como o pescador e o catador de caranguejo, bem como da fauna e religiosidade presente na região. A instituição integra o Complexo Turístico Porto das Barcas, localizado às margens do Rio Igaraçu e que mantém viva parte da história cultural do Piauí. Sua museografia foi patrocinada pela Equatorial Piauí, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, no valor de meio milhão de reais. O recurso foi investido na aquisição de parte do acervo, compra de mobiliário e programação visual do espaço. 

Além da importância turística, o Museu do Mar chega para firmar o Porto das Barcas como um centro cultural na região litorânea do estado. "A obra de recuperação do complexo é a maior em execução no Nordeste. Os espaços poderão ser utilizados para shows, apresentações e espetáculos, que serão retomados no pós-pandemia", afirma o secretário de estado da cultura do Piauí, Fábio Novo. A revitalização do Porto das Barcas vai oferecer ao turista um passeio histórico por ruas estreitas, becos e vielas, contemplando uma arquitetura neoclássica. As edificações são em pedra reajuntadas com pó de ostras e óleo de baleia, preservados há quase 300 anos. A região foi um grande centro comercial, que viveu os ciclos do charque e da carnaúba, quando recebeu vapores e embarcações da Europa.


publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895