Porto Alegre em Cena terá edição híbrida

Porto Alegre em Cena terá edição híbrida

Festival cênico será realizado entre os dias 19 e 31 de outubro, com apresentações virtuais e presencias

A programação internacional tem cinco espetáculos, incluindo “Metaverse: Estamos no Fim de Algo”, do Reino Unido

publicidade

O Porto Alegre Em Cena é sempre uma das melhores notícias da entrada da primavera. A 28ª edição, gratuita, ocorre entre 19 e 31 de outubro, de forma virtual e também presencial, com atividades de grupos internacionais, nacionais e locais em mostras, oficinas, exposições e espetáculos. A busca pela construção do futuro e maneiras de defender a vida são alguns dos focos temáticos do festival, assim como performances unindo a arte, os espetáculos e as ilimitadas possibilidades no meio digital. O lançamento oficial aconteceu na noite desta terça-feira na Fábrica do Futuro. As exibições presenciais não terão transmissão e isso é proposital. “Queremos que o público tenha a oportunidade de viver aquele momento de forma completa, com todos os cuidados fundamentais que estamos tomando. É algo valioso ver de perto, sentir a arte novamente, que faz tanta falta na vida de todos nós”, sugere o diretor geral Fernando Zugno. “A população da Capital será surpreendida ao sair do supermercado, ao andar de ônibus ou passeando pelas ruas. A intenção será devolver a cultura à vida das pessoas”, diz.

Pelo segundo ano, o Ponto de Encontro terá programa diário, integrando a programação do festival, transmitido ao vivo, pelo canal do YouTube, direto da Fábrica do Futuro, às 11h. O programa será disponibilizado na plataforma Cubo Play, com audiodescrição, tradução e interpretação em Libras. A novidade será o quadro Reflexão em Cena, com debates, atrações e convidados. O programa terá versão áudio gratuita no Spotify. Dois artistas terão suas obras expostas em dois lugares emblemáticos da cidade. “Entidades”, pintura de Jaider Esbell, consiste em cobras infláveis que estarão expostas no espelho d’água do parque da Redenção. Outra exposição será um quadro de Xadalu, “Nhe ‘ery – Existe uma cidade sobre nós”, misturando arte urbana e indígena, instalado no Theatro São Pedro. Da programação nacional, destaque para “Felipe Hirsch e coletivo Ultralíricos apresentam Fantasmagoria n° 2 - Theatro São Pedro”, parte da pesquisa para sua nova criação. A primeira fantasmagoria foi criada para o Teatro Municipal de São Paulo. Essa próxima etapa busca histórias do Theatro São Pedro e irá agregar elenco local de atores e bailarinos, com estreia em 2022, em coprodução do Ultralíricos e festival. Outro destaque é “Altamira 2042”, instalação performativa criada a partir do testemunho do rio Xingu sobre a barragem de Belo Monte. 

A programação internacional tem cinco espetáculos: Colômbia (“Infinitos”), Chile (“Ela e os Porcos”), Argentina (“Como as Coisas Chegaram até Aqui”) e Reino Unido (“Metaverse: Estamos no fim de Algo”). Em parceria com o Brasil, “A Arma é a Parte do Corpo” será ao vivo, com Pedro Granato apresentando de São Paulo, juntamente com Ruthy Osterman, israelense, de Londres. Os espetáculos locais serão 10, com cinco performances urbanas: “Respira Não Pira”, “Bando”; “Kuumba: Criatividade, Encontros e Afetos”; “Anatomia Temporária” e “Voluntários da Pátria” e cinco digitais, “A Última Negra”, “Sr. Esquisito”, “Co Ês (com eles)”, “De La Mancha”e “Quase Corpos”. Novidade na programação, a Mostra Universitária, parceria entre festival, Uergs e Ufrgs, terá 16 grupos com estudantes das duas universidades apresentando criações digitais. Mais detalhes sobre o festival podem ser obtidos pelo www.portoalegreemcena.com.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895