Realização de sonhos são temas de curtas do Festival de Cinema Sharjah
capa

Realização de sonhos são temas de curtas do Festival de Cinema Sharjah

Repórter do Correio do Povo relata experiência na cobertura em um dos sete principados que formam os Emirados Árabes Unidos

Por
Adriana Androvandi

Curtas de diferentes nacionalidades abordam a busca da realização de sonhos, uma temática que envolve qualquer ser humano

publicidade

O cinema encantou várias crianças e adolescentes no Festival Internacional de Cinema para a Infância e Juventude (SIFF), que ocorreu de 13 a 19 de outubro em Sharjah, um dos sete emirados que formam os Emirados Árabes Unidos. O Correio do Povo foi convidado a acompanhar o evento, que chega a sua sétima edição.

Sharjah é um dos sete emirados (principados) que formam os Emirados Árabes Unidos, país que tem Abu Dhabi como capital. Sharjah tem investido na área cultural, realizando feiras internacionais de livros e festivais de cinema. Em 2014, Sharjah recebeu o título de capital da cultura árabe pela Unesco. Em 2019, outro título: Capital Mundial do Livro. Fazendo essa conexão, o festival de cinema apostou no tema “Livros que inspiram filmes”.

Podemos pensar sobre a relação entre um festival tão distante do Brasil, em um país do Oriente Médio, e a nossa realidade. A resposta é concluir que o ser humano, onde quer que esteja, tem sentimentos comuns. Quer ter um bom lugar para viver, ser reconhecido em sua profissão, lutar pela inclusão e aceitação.

Por isso apresentamos três histórias de curtas-metragens exibidos no festival sendo dois com entrevistas com realizadores. O filme brasileiro “O Malabarista”, de Iuri Moreno (Goiás), propõe uma valorização dos artistas de rua e com habilidades circenses, que podem levar um pouco de cor à rotina cada vez mais cinza das metrópoles.

Uma jornada de autoaceitação pode ser vista em “Chin Up”, sobre animadora JoAnne Salmon (Reino Unido), que nasceu com uma síndrome rara (Treacher Collins) e realizou seu sonho de se tornar uma profissional do audiovisual. Ela apresentou um curta-metragem sobre sua jornada.

A questão dos refugiados também entrou em cena. “Bachir in Wonderland”, de Els Duran e Evelien Vehof, acompanha um garoto do povo sahrawi, que vive há cerca de 40 anos num campo em área do deserto Saara, na Argélia. Lá são cerca de 130 mil pessoas sem um país. Através de uma organização, Bachir consegue uma oportunidade de passar um período de verão em Barcelona (Espanha), onde finalmente vai realizar seu sonho de ver o mar.