Relatos de violência doméstica

Relatos de violência doméstica

A primeira temporada da websérie, que conta com nove episódios, estreia nesta segunda-feira

Carol Steques*

A atriz e produtora Deborah Finocchiaro integra a equipe de "Confessionário - Relatos de Casa"

publicidade

Em abril deste ano, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública divulgou a pesquisa "Violência Doméstica Durante a Pandemia de COVID-19", onde mostra um grande aumento na taxa de violência contra a mulher, durante o isolamento social, em relação ao mesmo período no ano passado no Brasil. Os casos de feminicídio, por exemplo, cresceram 22,2% entre março e abril de 2020.

Com o objetivo de expor esses dados e falar sobre esse tema tão importante para a sociedade, que muitas vezes ainda é considerado um tabu, Deborah Finocchiaro - atriz, diretora, apresentadora, roteirista, produtora - em parceria com o diretor cinematográfico Luiz Alberto Cassol, tiveram a ideia de produzir a websérie "Confessionários - Relatos de Casa", onde mostrará relatos reais de mulheres que sofreram violência ao longo da vida. Com o total de nove episódios na primeira temporada, a websérie estreia hoje, às 19h, no canal Confessionário, no YouTube. Toda segunda-feira, no mesmo horário, será disponibilizado um episódio da série no canal.

Cada episódio, que tem o total de 15 minutos, mostra uma personagem relatando a sua história. Deborah salienta que um dos objetivos do "Confessionário" é encorajar outras mulheres a contarem suas próprias histórias. "A ideia é ter mais denúncias, mais pessoas reconhecendo o relacionamento abusivo e a violência que sofrem, além de salientar que não é vergonha tu ter sofrido uma violência. Acho que a palavra chave é humanizar. Como a gente humaniza mais as relações e para de compactuar com isso através do silêncio", salientou Deborah.

Deborah conta que a arte leva a caminhos de questionamentos e transformações. "Eu sempre vou estar buscando ajudar as pessoas com o meu trabalho, nós viemos para esse planeta para isso", explicou. "A arte nos ajuda a colocar para fora as nossas emoções, nos ajuda a refletir sobre nossas angústias. A arte sempre refletiu o seu tempo, e para além do seu tempo, tornando-se cada vez mais fundamental", complementou Cassol.

No final de cada capítulo, haverá ainda a participação da advogada Gabriela Ribeiro de Souza - especializada em cuidar de casos de violência contra mulheres - que falará sobre formas de denunciar os abusos, números e estatísticas. "O objetivo da websérie é mostrar um lugar seguro de fala, misturando a arte e o direito, e trazer para a telespectadora um abraço e dizer que ela não está sozinha. Amor não te machuca, amor é para te fazer bem e tu vai sair dessa, pois és muito forte", explicou a advogada.

No final deste mês, a produção já irá começar a realizar as gravações da segunda temporada da série. Para a terceira temporada, diversas atrizes já se disponibilizaram para fazer os papéis, contar os relatos e apoiar a causa. "Criou-se uma família em torno do Confessionário e da causa. As pessoas estão tentando colaborar de uma forma ou de outra com a série. Isso é muito legal", contou o diretor. "Cada vez que uma mulher é violentada, todas são", salientou Gabriela.

A websérie foi pensada e realizada dentro da pandemia do novo coronavírus, produzida respeitando totalmente o isolamento social da equipe. "Foi feito com cada pessoa da equipe na sua casa, a partir do seu computador, com as atrizes nas suas casas. É um desafio novo, que tecnicamente me provocou todo um novo pensamento dessa linguagem de internet que eu passo a adotar também a partir de agora. Porém, por mais que houvesse o desafio, nós conseguimos fazer. Porque o mais importante era fazer a série e falar sobre o tema", explicou Cassol.

Além disso, para aqueles que se interessaram pela websérie e querem saber mais sobre os bastidores do programa, está disponível no SoundCloud Confessionário Relatos de Casa um podcast com os diretores falando sobre como surgiu a série, o interesse por expor a temática e mais.

*Sob supervisão da editora Adriana Androvandi


publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895