Robert Downey Jr. comenta crítica de Martin Scorsese aos filmes da Marvel
capa

Robert Downey Jr. comenta crítica de Martin Scorsese aos filmes da Marvel

"Respeito a opinião dele como a de qualquer pessoa", comentou o ator

Por
AE

Ator buscou medir as palavras para não criar um confronto com Scorsese durante entrevista

publicidade

As críticas feitas pelo cineasta Martin Scorsese contra os filmes produzidos pela Marvel ganharam novo round. O ator Robert Downey Jr., que encarna um dos mais queridos super-heróis do cinema moderno, o Homem de Ferro, rebateu o comentário em entrevista a uma rádio americana.

"É a opinião dele. Isso (os filmes da Marvel) é exibido nos cinemas. Respeito a opinião dele como a de qualquer pessoa", disse Downey Jr. ao programa de rádio comandado por Howard Stern, em Nova Iorque, segundo noticiou o site Comic Book.

O ator buscou medir as palavras para não criar um confronto com Scorsese, aclamado como um dos principais diretores cinematográficos da atualidade. "Precisamos ter opiniões diversas para seguir adiante", continuou o ator, descartando uma suspeita de que Scorsese teria ficado enciumado com o lucro gerado pelos filmes de super-heróis. "Ele é Martin Scorsese, não precisa disso. Na verdade, ainda há muito o que se dizer sobre se esse gênero desmerece a arte do cinema." 

Em entrevista à revista britânica Empire, Scorsese foi taxativo: "não os vejo os filmes da Marvel como cinema. Tentei, sabia? Mas isso não é cinema. Honestamente, o mais perto que posso estar deles, por mais bem feitos que sejam, com atores que fazem o melhor possível nessas circunstâncias, são os parques temáticos", brincou o diretor de 76 anos, ignorando os 23 longas já financiados pela Marvel.

"Não é o cinema de seres humanos que tenta transmitir experiências emocionais e psicológicas a outro ser humano", continuou ele, aparentemente sem se importar com a imensa lucratividade que filmes da Marvel, DC e outros proporcionam à indústria. "Vingadores - Ultimato", por exemplo, tornou-se o maior sucesso de bilheteria da história, ao somar mais de US$ 2,79 bilhões, em julho passado.