Sete filmes para conhecer o cinema iraniano

Sete filmes para conhecer o cinema iraniano

Cineastas como Abbas Kiarostami e Asghar Farhadi conseguiram ultrapassar fronteiras com seus trabalhos

Lou Cardoso

"A Separação" conquistou o primeiro Oscar para o Irã, como Melhor Filme Estrangeiro

publicidade

Com o mundo voltando as suas atenções para os conflitos entre Irã e Estados Unidos, o país persa pode parecer distante e desconhecido para a maioria das pessoas. O cinema é uma janela que pode apresentar a cultura e a história de uma região, assim como desconstruir imagens.

O cinema iraniano ganhou destaque especialmente após a revolução de 1979, com cineastas como Abbas Kiarostami. Atualmente, já possui outros nomes contemporâneos capazes de produzirem grandes obras que ultrapassam barreiras, como é o caso de Asghar Farhadi. Porém, a produção no Irã, por mais intimista e conceitual que seja, também sofre com a falta de recursos e repressão política.

Por isso, a sétima arte do Irã sempre traz temas com peso político, questões familiares e cotidianas, temas proibidos e problemas decorrentes das imposições morais. Além de ir sempre na contra mão do cinema-espetáculo de Hollywood. Separamos sete produções para você conhecer melhor o cinema iraniano.

• "Gosto de Cereja" (1997) - Abbas Kiarostami

Abbas Kiarostami é um dos nomes mais conhecidos do cinema iraniano e responsável por levá-lo ao mercado internacional. Iniciou a sua carreira em 1982 com "Hamsarayan" e conquistou diversos prêmios internacionais, entre eles, a Palma de Ouro, do Festival de Cannes, por "Gosto de Cereja", seu nono filme da carreira.

O drama conta a história de um homem que está em busca de alguém que o enterre sob uma cerejeira após o seu suicídio. Os dois últimos trabalhos de Kiarostami foram "Cópia Fiel", que traz Julitte Binoche como protagonista, e "Um Alguém Apaixonado", que é inteiramente falado em japonês.

• "A Separação" (2011) e "O Apartamento" (2016) - Asghar Farhadi

O maior prêmio do cinema americano, o Oscar, já premiou Asghar Farhadi duas vezes pelas obras "A Separação" e "O Apartamento" na categoria de Melhor Filme Estrangeiro.

O primeiro narra a história de um casal que quer seguir caminhos diferentes: ela quer sair do país para garantir uma educação melhor para a filha, enquanto ele quer ficar para cuidar do pai doente. Eles decidem se divorciar, mas por causa das leis do país, somente o marido é capaz de autorizar a separação, e ele não está disposto a ceder.

Já em "O Apartamento", um casal de atores muda para um novo apartamento, onde a esposa é atacada. Agora, os dois devem lidar a situação e decidir se querem ou não saber quem foi o responsável.

• "Circumstance" (2011) - Maryam Keshavarz

O Irã também possui as suas representantes mulheres no cargo de direção. Um exemplo é a cineasta Maryam Keshavarz, que ganhou destaque pelo seu drama "Circumstance", que inclusive ganhou o prêmio da audiência no Sundance Film Festival, em 2011.

O filme conta a história de dois irmãos que seguem caminhos opostos na adolescência. Enquanto a garota explora a juventude com sexo, drogas e festas ao lado de sua melhor amiga, o irmão retorna da reabilitação com uma obsessão destrutiva.

• "Táxi Teerã" (2015) - Jafar Panahi

A falta de recursos não é só um dos empecilhos de se fazer cinema no Irã. O posicionamento político também pode ser uma barreira para os cineastas. Foi o que aconteceu com Jafar Panahi, que foi preso e proibido pelo governo iraniano de fazer filmes por apoiar um candidato da oposição.

Mas isso não foi problema para ele. Panahi se disfarçou de taxista para realizar "Taxi Teerã", onde recebe moradores comuns da capital em seu carro para discutir o cotidiano e a política do país. O longa ganhou o Urso de Ouro do Festival de Berlim em 2015.

• "Sob a Sombra" (2016) - Babak Anvari

O diretor Babak Anvari escolheu o gênero do Terror como uma forma de narrar a guerra entre o Irã e o Iraque, no ano de 1988, em "Sob a Sombra". Na trama, uma mãe e sua filha ficam pouco a pouco dilaceradas com as campanhas de bombardeio sobre a cidade junto com a sangrenta revolução do país.

Lutando diariamente para ficarem juntas em meios aos terrores, um misterioso mal ronda o apartamento onde elas moram. O filme está disponível na Netflix.

• "Maz Jobrani Immigrant" (2017) - Maz Jobrani

Maz Jobrani é um ator e comediante nascido no Irã e criado nos Estados Unidos. Conhecido por fazer stand up, ele já apareceu em inúmeros filmes e programas de televisão. Com o especial "Maz Jobrani Immigrant" para a Netflix, Jobrani conta sobre os dilemas de ser um imigrante nos Estados Unidos na era do governo do presidente Donald Trump.


publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895