Traumas da infância desafiam Danny em sequência de "O Illuminado"
capa

Traumas da infância desafiam Danny em sequência de "O Illuminado"

"Doutor Sono" estreia hoje nos cinemas e traz marca da escrita de Stephen King

Por
Marcos Santuario

Ewan McGregor é quem interpreta Danny em "Doutor Sono"

publicidade

Uma das obras mais marcantes do suspense, terror e do medo dos anos 1980, “O Iluminado” ganha uma sequência com a estreia hoje nos cinemas de “Doutor Sono”, dirigido por Mike Flanagan. O que há de comum entre “O Iluminado”, de Stanley Kubrick, e o filme de Flanagan é a presença de alguns personagens e a marca da escrita de Stephen King, já que ambos são adaptações de obras do mestre do terror, da ficção sobrenatural, do suspense, da ficção científica e da fantasia.

Do “O Iluminado” adaptado por Kubrick e estrelado por Jack Nicholson, em 1980, o garoto Danny Torrance que andava de triciclo nos corredores do hotel, e que via as gêmeas assustadoras por lá, hoje tem ao redor de 40 anos e é vivido pelo escocês Ewan McGregor. Para fazer gancho com o filme anterior, Danny surge ainda criança e muito traumatizado pelos acontecimentos que ainda o assombram.

Saltos no tempo

No longa, fica claro que ele precisa aprender a lidar com seus traumas e com sua “iluminação”. Mesmo com mais de duas horas e meia de duração, “Doutor Sono” tem que dar alguns saltos no tempo. Já adulto, Danny, interpretado pelo excelente McGregor, faz da bebida seu refúgio. Aliás, o alcoolismo é presente nos dois livros e, consequentemente, nos dois filmes, presente sobretudo na vida do próprio Stephen King.

O Danny adulto tenta encontrar-se e acaba acolhido por um grupo ao estilo Alcoólicos Anônimos. Novos amigos e novas possibilidades. Como já foi enfermeiro, acaba cuidando de idosos em fase terminal. Então surge outra personagem fundamental na trama: Abra Stone (vivida pela talentosa Kyliegh Curran), menina que também tem a “iluminação” tão poderosa quanto a de Danny.

Os dois acabam na mira do Verdadeiro Nó, grupo liderado por Rose – a Cartola (Rebecca Ferguson), e que se alimenta de “iluminados”. A partir daí a narrativa se constrói mesclando o suspense com os detalhes necessários para o avançar da trama, com trilha sonora que pontua os eventos e envolve o espectador.