Websérie sobre violência doméstica e de gênero

Websérie sobre violência doméstica e de gênero

"Confessionário", baseada em fatos reais, será exibida a partir de 24 de agosto

Arte & Agenda

Projeto concebido pela atriz e diretora de teatro Deborah Finocchiaro e pelo cineasta Luiz Alberto Cassol

Um grupo de artistas gaúchos e uma advogada especializada em cuidar de casos de violência contra mulheres deu um jeito de contornar o isolamento social para gravar a websérie “Confessionário - Relatos de Casa”. A série é uma obra de ficção baseada em relatos de mulheres de todo o mundo que sofreram violência doméstica e de gênero, para mostrar que não estão sozinhas, e estimular a denúncia em casos de violações.

A estreia será no dia 24 de agosto, às 19 horas, no canal do projeto no YouTube. A cada segunda-feira, um novo episódio vai ao ar.

Concebido pela atriz e diretora de teatro Deborah Finocchiaro e pelo diretor de cinema Luiz Alberto Cassol, a primeira temporada da websérie terá nove episódios com atrizes interpretando as histórias criadas a partir de relatos reais. Além da violência física, a série também relata casos de violência psicológica e moral.

EPISÓDIOS

Os episódios, que tem 15 minutos cada, apresentam uma personagem relatando a sua história em primeira pessoa para uma suposta campanha, intitulada “Confessionário”, que pretende encorajar outras mulheres para que exponham as suas próprias histórias.

Também haverá a participação da advogada Gabriela Ribeiro de Souza, que ao final de cada “depoimento”, trará informações sobre fatores de risco, tipos de violência, formas e contatos para denúncia, números, estatísticas, entre outras informações relevantes.
 
ESTATÍSTICAS
O Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) destaca que os casos de feminicídio cresceram 22,2%,entre março e abril deste ano, em 12 Estados do País, comparativamente a 2019, segundo a Agência Brasil. Intitulado Violência Doméstica durante a Pandemia de Covid-19, o documento foi divulgado no começo de junho, e tem como referência dados coletados nos órgãos de segurança dos estados brasileiros.

 


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895