Estradas e economia

Estradas e economia

Por Juvir Costella*

publicidade

Estradas em boas condições sinalizam um Estado forte e economicamente competitivo. Por essa razão, nos últimos dois anos, temos desenvolvido um trabalho sério e bem-sucedido na gestão das finanças públicas, com o objetivo de viabilizar obras e serviços em nossa malha rodoviária.

Desde o lançamento do Plano de Obras 2021-2022, em junho passado, já aplicamos R$ 633,4 milhões na melhoria de estradas estaduais. É o equivalente a cerca de 50% do total de R$ 1,3 bilhão liberado pelo governador Eduardo Leite – um dos maiores investimentos do Estado na área. Em apenas cinco meses, já são 36 obras entregues e 57 iniciadas em rodovias de diferentes regiões.

A maioria são ações de recuperação de estradas já pavimentadas. O exemplo mais emblemático é a ERS-118, na Região Metropolitana: mesmo após entregarmos a tão sonhada duplicação da rodovia, prosseguimos com investimentos nos 21,5 quilômetros entre Sapucaia do Sul e Gravataí. Iniciamos a construção de passarelas para pedestres e estamos em vias de implementar a iluminação do trecho e uma nova interseção no entroncamento com a ERS-030. Trata-se de um projeto permanente e que merece a atenção do poder público.

Também comemoramos a retomada de pavimentações aguardadas há décadas pela sociedade gaúcha. Nisso, destacam-se os acessos municipais: iniciamos 2019 com 62 cidades do Interior sem ligação asfáltica; a meta é chegarmos ao final de 2022 com essa lista reduzida em 60%. Já iniciamos as obras em São Martinho da Serra, Montauri e Senador Salgado Filho e, em breve, as frentes de serviço também atuarão em outras localidades.

Sabemos que ainda há muito a ser feito, mas, sem negar as boas iniciativas do passado nem fechar os olhos para os desafios de hoje, seguiremos construindo um caminho possível para o crescimento e a prosperidade do Rio Grande do Sul.

*Secretário de Logística e Transportes do RS


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895