Jovem aprendiz: uma experiência para a vida

Jovem aprendiz: uma experiência para a vida

Por Autores*

Autores

publicidade

A Lei da Aprendizagem Profissional (10.097/2000) é um convite que ajuda a melhorar nosso presente e nosso futuro. Somos jovens aprendizes contratados por empresas de nossa cidade e que recebemos formação de uma instituição preocupada com nossa vida: a Escola Família Agrícola da Serra Gaúcha (Efaserra), de Caxias do Sul. Por meio do Programa Jovem Aprendiz, recebemos conhecimentos teóricos e práticos que abrem nosso horizonte rumo ao caminho profissional. Noções de finanças, gestão, marketing, agroecologia, agronegócio, preservação ambiental, novas tecnologias para as propriedades rurais... São tantos os conteúdos e técnicas que passaram a somar no nosso cotidiano e contribuir para que tenhamos condições de planejar os próximos passos a serem dados, tanto individualmente quanto coletivamente a partir de nossas famílias.

É uma chance de aprendizado técnico sem termos que abandonar a escola ou o campo e com a diferença de que mostra possibilidades de trabalho e de mercados disponíveis e reais para atuarmos ou aperfeiçoarmos a atuação ali em frente. Enquanto absorvemos novos saberes ainda recebemos um valor que auxilia na independência financeira ou mesmo para colaborarmos em casa. O Jovem Aprendiz também é um programa que olha para nossa autoestima e para as relações humanas que nos constituem como cidadãs e cidadãos e contribuem para a maturidade das decisões exigidas pela vida.

Diante de tudo isso, é de surpreender que, na Câmara dos Deputados, esteja tramitando um projeto de lei (nº 2692/2021) propondo a suspensão da obrigatoriedade de contratação de aprendizes enquanto perdurar a situação de pandemia de doença por Covid-19 no Brasil e em situações de emergência de saúde pública ou calamidade semelhantes de importância nacional ou internacional. Nesses momentos é que a iniciativa deve prosseguir, de forma virtual ou híbrida, por exemplo. E, claro, adotando todas as medidas de prevenção necessárias e recomendáveis pelas autoridades sanitárias, mas não impedindo que jovens tenham capacitação profissional e possam se preparar melhor para o mercado de trabalho. Sejamos agentes de mobilização e defensores do Programa Jovem Aprendiz em quaisquer tempos, para nós, jovens do presente, e para os jovens do futuro. Que mais e mais gerações possam viver essa experiência de aprendizado em sua vida.

Estudantes do 3° Ano do Ensino Médio e Técnico em Agropecuária (Turmas de 2021) e monitores da Efaserra*


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895